Ex-presidente da Petrobrás mantém defesa da compra da refinaria

José Sergio Gabrielli mantém argumento apresentado em agosto passado, no Senado, de que a negociação foi feita a partir de análises técnicas, seguindo o Plano de Negócios da estatal

Tiago Décimo, O Estado de S. Paulo

19 Março 2014 | 19h40

Salvador - O secretário de Planejamento da Bahia e ex-presidente da Petrobrás, José Sergio Gabrielli, informou, por meio de sua assessoria, que não faria mais comentários sobre a compra da refinaria de Pasadena, no Texas (EUA), por parte da estatal brasileira. Segundo a assessoria, Gabrielli disse que quem deve se pronunciar sobre o tema é a atual direção da Petrobrás e que seu posicionamento sobre a negociação já é conhecido.

O ex-presidente da estatal defende a aquisição da unidade, com base nos mesmos argumentos que apresentou a parlamentares em agosto do ano passado, durante audiência no Senado. Na época, ele declarou que a negociação foi feita a partir de análises técnicas, seguindo o Plano de Negócios da Petrobrás, que previa a expansão da capacidade de refino da empresa no exterior.

De acordo com Gabrielli, a negociação foi "adequada" para os parâmetros de quando foi realizada (em 2005), antes da descoberta do pré-sal brasileiro (em 2007) e da crise econômica mundial de 2008.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.