Ex-presidente agiliza acerto com PSB em SP

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva quer fechar com o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, o apoio do PSB à chapa de Fernando Haddad em São Paulo antes do dia 2 de junho. O objetivo é evitar que o partido chegue sem nenhuma aliança no encontro municipal de delegados que vai referendar o ex-ministro como candidato à Prefeitura.

O Estado de S.Paulo

22 de maio de 2012 | 03h01

O objetivo da cúpula do PT é anunciar alguma parceria eleitoral, com pelo menos um partido, antes do evento para demonstrar que Haddad não está sozinho e consegue agregar outras forças políticas. O encontro do ex-presidente com Campos está previsto para esta semana.

Aliados tradicionais do PT, como o PC do B, recusam-se até o momento a fazer parte da aliança e ensaiam uma candidatura própria. O PSB é o alvo preferencial do PT por causa do compromisso assumido em janeiro por Campos com Lula de que não caminharia com José Serra (PSDB). Em troca, o PT teria de abrir mão da candidatura em cidades estratégicas para o PSB.

Os petistas, que ainda enfrentam dificuldades para compor em algumas cidades - como Franca (SP) e Ferraz de Vasconcelos (SP) - correm para finalizar os entendimentos e entregar na mão de Lula uma lista com os gestos feitos pelo PT em prol do PSB, que devem incluir Boa Vista (RR), Macapá (AP), Duque de Caxias (RJ) e Mossoró (RN).

Integrante da coordenação da campanha de Haddad, o vereador Chico Macena afirmou ontem que o partido já dá como certa a aliança com o PSB. A única pendência, disse, é Franca.

Na contramão, o vereador do PSB, Juscelino Gadelha, declarou também ter posto na mesa a situação de Taboão da Serra. "Já conversei com Rui Falcão (presidente nacional do PT)", disse.

Outros partidos. Depois de convocar, há dez dias, a cúpula petista para tomar pé das negociações com os partidos que a campanha de Haddad pretende atrair, Lula conversou com dirigentes do PR e ouviu do senador Alfredo Nascimento, dirigente nacional da sigla, uma manifestação de boa vontade. Mas há setores da sigla que resistem à união.

O ex-presidente deve conversar ainda com Renato Rabelo, presidente do PC do B, que vê a pré-candidatura de Netinho de Paula fazer água e negocia uma composição com PT ou PMDB. / FERNANDO GALLO e RICARDO CHAPOLA

Tudo o que sabemos sobre:
eleições 2012PSBPT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.