Ex-premiê de ilhas britânicas acusado de desviar US$ 50 milhões é preso no Rio

Michael Misick teria vendido terrenos da Coroa britânica nas ilhas Turks e Caicos, no mar do Caribe, para investidores privados, e levava vida luxuosa na zona sul carioca

MARCELO GOMES, Agência Estado

07 de dezembro de 2012 | 18h25

A Polícia Federal (PF) prendeu na manhã desta sexta-feira, 7, no Aeroporto Santos Dumont, no centro do Rio, o ex-premiê das ilhas caribenhas de Turks e Caicos Michael Eugene Misick, de 46 anos. Investigado por corrupção em seu país, Misick foi incluído em março deste ano na difusão vermelha da Interpol - lista de procurados com ordem internacional de prisão. Ele foi detido por agentes da Interpol enquanto tentava embarcar num voo da ponte aérea para São Paulo.

O delegado da PF Orlando Nunes, chefe do escritório da Interpol no Rio, afirmou que Misick estava desde outubro de 2011 no Brasil, quando deu entrada num pedido de refúgio como asilado político. "Enquanto o requerimento é analisado pelas autoridades brasileiras, o estrangeiro recebe automaticamente direito de residência temporária no país. Por isso ele não foi preso antes", explicou. O pedido, porém, foi negado recentemente, o que levou o ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), a expedir mandado de prisão contra ele em 22 de novembro.

Após fugir em 2009 das Ilhas Turks e Caicos, um território britânico ultramar, o político passou pela República Dominicana, antes de chegar ao Brasil. Além do Rio, ele já esteve em São Paulo e Brasília. Ele vinha sendo investigado pela Interpol há seis meses. Atualmente levava uma vida reservada, mas de alto padrão, na zona sul do Rio. Transitava principalmente entre os sofisticados bairros do Leblon, de Ipanema e de Copacabana. Misick tirou carteira de trabalho no País e teria uma sociedade com um sócio brasileiro - a Interpol não especificou qual atividade ele vinha exercendo.

"Misick é investigado por ter supostamente feito desvios da ordem de 50 milhões de dólares. Sua prisão serve para desmistificar a ideia de que grandes criminosos internacionais podem viver tranquilamente e gastar seu dinheiro sujo no Rio. Estamos trabalhando para isso", afirmou o delegado, referindo-se ao inglês Ronald Biggs, que após participar do assalto a um trem-pagador em seu país, em 1963, fugiu para o Brasil sete anos depois, onde viveu livre até 2001, quando decidiu retornar à Inglaterra para cumprir sua pena.

Misick foi encaminhado na tarde desta sexta do Presídio Ary Franco, na zona norte do Rio, onde ficará à disposição do STF. Um processo de extradição já tramita na Corte. Representantes do Consulado britânico do Rio estiveram nesta sexta na Superintendência da PF para colher informações sobre a prisão, mas não quiseram falar sobre o caso.

Histórico. Misick foi primeiro-ministro das Ilhas Turks e Caicos de 2003 a 23 de março de 2009, quando renunciou ao cargo em meio a um escândalo de corrupção. Uma Comissão de Inquérito concluiu que o premiê fez fortuna vendendo terrenos de propriedade da Coroa britânica a fundos de investimento imobiliários.

O arquipélago é um território britânico. Desfrutava de autonomia administrativa até 2009, quando o Reino Unido suspendeu a Constituição local por dois anos e impôs um governo direto para combater as fraudes ocorridas durante o governo de Misick. Formado por 40 ilhas, o país tem 30 mil habitantes.

Em abril de 2006, o premiê casou-se com a atriz americana LisaRaye McCoy, famosa pela atuação no seriado "All of Us". O divórcio ocorreu em agosto de 2008. Durante as investigações de corrupção, as autoridades britânicas descobriram que Misick alugou um jato particular para transportar LisaRaye de sua casa, em Hollywood, para o arquipélago. Cada voo custava US$ 100 mil. Ela também ganhou de aniversário um Rolls Royce Phantom, avaliado em 267 mil libras esterlinas.

Tudo o que sabemos sobre:
prisãoex-premiêRio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.