Ex-prefeitos são presos por fraudes em licitação

Grupo pode ter desviado R$ 2 milhões dos cofres públicos, de acordo com as investigações

José Maria Tomazela , O Estado de S. Paulo

18 Junho 2013 | 15h36

Oito pessoas, entre elas dois ex-prefeitos e um vereador, foram presas nesta terça-feira em uma operação da Polícia Civil, acusadas de integrar uma quadrilha que fraudava licitações na região de Sorocaba, a 100 km  de São Paulo. O ex-prefeito de Araçariguama, Carlos Aimar (PSL), e o ex- prefeito de Mairinque, Dennys Veneri (PTB), estão entre os presos. Também foi detido o atual vereador Helinho Moretto (PTB), da Câmara de Mairinque. De acordo com as investigações, o grupo pode ter desviado R$ 2 milhões dos cofres públicos.

Foram presos ainda funcionários públicos e executivos de empresas. Todos são acusados de corrupção ativa ou passiva, formação de quadrilha, falsidade ideológica, tráfico de influência, peculato e lavagem de dinheiro. Durante os 11 meses de investigação, a Polícia Civil interceptou conversas telefônicas e quebrou o sigilo fiscal e bancário dos suspeitos com autorização judicial.

De acordo com o delegado seccional de Sorocaba, Marcelo Carriel, havia um vínculo entre eles nas fraudes, o que caracterizaria a formação de quadrilha. "Essas pessoas forjavam contratos de empresas fictícias para contratar com as prefeituras. Várias licitações foram fraudadas", disse.

No total foram cumpridos nove mandados de prisão e treze de busca e apreensão nas Câmaras de Mairinque, Guarulhos e Osasco. Computadores e documentos foram apreendidos. Os detidos foram levados para a Cadeia Pública de São Roque. A prisão é temporária, por cinco dias.

De acordo com o delegado, as prisões são o desdobramento de uma ação realizada em outubro do ano passado pela Polícia Civil e Ministério Público Estadual, durante a qual foram apreendidos documentos e computadores na prefeitura de Mairinque. O material passou por perícia, resultando na confirmação das fraudes. Na época, Veneri era prefeito e alegou desconhecer qualquer esquema de fraude. Sua assessoria informou que um advogado entraria ainda nesta terça-feira com pedido de revogação da prisão.

O advogado do ex-prefeito de Araçariguama, Luiz Manna Moraes, disse a prisão de seu cliente foi baseada em conversa de outros acusados, não havendo razão para que seja mantido na cadeia. "Não há nada de concreto contra ele." Moraes deve pedir nesta quarta-feira a revogação da prisão provisória. A Câmara de Mairinque informou que a detenção do vereador tem relação com o cargo de diretor de finanças que ele exerceu na prefeitura na gestão passada.

Mais conteúdo sobre:
Ex-prefeitos fraudes licitação

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.