Ex-petista do RS diz que forjou denúncia

O ex-tesoureiro do PT gaúcho, Jairo Carneiro, surpreendeu os deputados da CPI da Segurança Pública, ao dizer que mentiu para jornalistas do Diário Gaúcho sobre o envolvimento do partido com o jogo do bicho. Ele foi expulso do PT, no ano passado, por ter desviado recursos dos cofres partidários e disse estar "magoado e indignado" pela execração pública que sofreu. Em conversa gravada há cerca de um mês pelos jornalistas, Carneiro afirmou que os banqueiros do jogo do bicho teriam doado R$ 600 mil, em 1998, para o PT, e que esses recursos foram utilizados para a campanha do governador Olívio Dutra e para a compra de uma sede do partido, adquirida pelo Clube do Seguro e da Cidadania, dirigida por petistas. O conteúdo das denúncias nunca foi publicado, mas o presidente da Comissão de Justiça e Direitos Humanos, Jair Krischke, obteve uma cópia da gravação e divulgou-a ao público. Na fita entregue à CPI, o ex-tesoureiro revela em detalhes os diálogos que teria tido com os líderes petistas responsáveis pela arrecadação do dinheiro de campanha. Convocado para depor no início da noite, Carneiro disse que havia mentido aos jornalistas, como vingança contra os que o expulsaram do PT. "As declarações que dei para os jornalistas não eram verdade, peço desculpas a todos que prejudiquei, mas era uma grande mentira", afirmou, sob juramento, o ex-petista. Os deputados da CPI decidiram submeter Carneiro ao detetor de mentiras para saber qual a verdadeira versão. Antes disso, a fita foi ouvida em sigilo pelos membros da CPI e pelo depoente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.