Ex-mulher do juiz Rocha Mattos continuará presa, decide STF

Acusada de participar de um esquema de falsificação de documentos, corrupção e venda de sentenças judiciais Norma Regina Emílio Cunha, ex-mulher do juiz federal João Carlos da Rocha Mattos teve seu pedido de habeas-corpus negado na noite desta quinta-feira pela ministra Ellen Gracie Northfleet, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF)Os crimes de que ela é acusada foram investigados pela Polícia Federal na Operação Anaconda, em 2003, e a defesa tentou desqualificar uma decisão anterior do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que negou a liberdade a Norma Regina.A prisão preventiva da ré foi decretada pelo Tribunal Regional Federal da 3ª Região, baseada na denúncia de emissão de cheques no valor total de R$ 1,3 mil e na apreensão de artigos de alto valor, na residência do casal, além de comprovantes de remessas de dinheiro para supostas contas bancárias na Suíça, no nome dos dois. Norma e Mattos também compraram e venderam vários veículos e imóveis no Brasil e no exterior.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.