Ex-ministro também é investigado pela Zelotes

Guido Mantega foi alvo de condução coercitiva em maior deste ano e, em novembro de 2015, teve sigilos bancário e fiscal quebrados pela Justiça; PF ainda apura se ele favoreceu empresas com a Receita

O Estado de S.Paulo

22 de setembro de 2016 | 09h08

O ex-ministro da Fazenda Guido Mantega já é investigado por outra operação da Polícia Federal, a Zelotes, na qual é suspeito de ter indicado um conselheiro para um órgão da Receita que, por sua vez, beneficiou empresa da qual teria recebido propina. Em maio deste ano, ele foi alvo de condução coercitiva pela PF.

A Zelotes apura suspeitas de manipulação de julgamentos no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), espécie de “tribunal” que avalia débitos de grandes contribuintes com a Receita Federal.

Em novembro do ano passado, o juiz titular da 10ª Vara da Justiça Federal, Vallisney de Souza Oliveira, responsável pela Zelotes, autorizou a quebra dos sigilos bancário e fiscal de Guido Mantega. O objetivo era apurar se ele tinha envolvimento no suposto favorecimento de empresas que obtiveram decisões favoráveis no Carf.

Na época, os investigadores também quiseram levantar mais informações sobre a relação do então ministro com o advogado e ex-conselheiro do Carf Valmir Sandri. Os dois seriam amigos e já fizeram negócios imobiliários. Nesta segunda-feira, 9, um dos alvos da Zelotes, foi o empresário Victor Sandri, do grupo comercial Cimentos Penha. Apesar do mesmo sobrenome, Valmir e Victor não são parentes.

O ex-ministro informou, por meio de um auxiliar, na ocasião, que refutava qualquer alegação sobre seu envolvimento nas irregularidades do Carf. Ele acrescentou que não comentaria a decisão da Justiça, pois havia sido notificado.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Polícia FederalGuido Mantega

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.