Ex-ministro Prisco Viana morre em Brasília

Jornalista e político baiano havia sido internado há 11 dias por causa de embolia pulmonar, e há cinco anos lutava contra Alzheimer

TIAGO DÉCIMO, O Estado de S. Paulo

26 Fevereiro 2015 | 16h33

Salvador - Ex-deputado federal pela Bahia por sete mandatos (entre 1970 e 1998), ex-ministro da Habitação e do Meio Ambiente do governo José Sarney, e ex-candidato ao governo da Bahia, em 2002, pelo PMDB, o jornalista e político baiano Prisco Viana morreu, na madrugada desta quinta-feira, 26, aos 82 anos, em Brasília.

Viana estava internado no Hospital Santa Lúcia havia 11 dias, por causa de uma embolia pulmonar, e há cinco anos lutava contra o Mal de Alzheimer. O enterro está marcado para esta sexta-feira, 27, às 15h30, no Cemitério Campo da Esperança, na capital federal.

Baiano de Caetité, no sudoeste do Estado, Viana ingressou na política por meio de seu trabalho como jornalista da Assembleia Legislativa da Bahia, que o levou a ser nomeado, em 1967, pelo então governador Luís Viana Filho, secretário de Comunicação do Estado.

Em 2009, o político chegou a ser investigado pela Operação Castelo de Areia, da Polícia Federal, que apurava financiamentos de campanha não oficiais feitos por empreiteiras a políticos. À época, ao Estado, Prisco negou ter recebido recursos da construtora Camargo Corrêa e brincou com a situação. "Eles doam, doam e eu só fico doído."

Em nota, o governador da Bahia, Rui Costa (PT), lamentou a morte de Viana, a quem chamou de "grande homem". "Prisco Viana foi um político influente, que por diversas vezes representou a Bahia no Congresso Nacional, merece todo o respeito e homenagem", disse. Já o presidente do PMDB na Bahia, o ex-ministro da Integração Nacional Geddel Vieira Lima, usou as redes sociais para comentar a perda. "Prisco era um homem austero, sério, leal", disse, em sua conta no Twitter. "Como secretário, deputado e ministro, honrou a Bahia e lutou por ela."

Mais conteúdo sobre:
Prisco Viana Bahia morte

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.