Ex-ministra chama de fascista declaração de tucano sobre extinção do PT

Maria do Rosário (PT-RS) criticou fala do deputado federal Carlos Sampaio (PSDB-SP) feita na quinta, durante depoimento do ex-tesoureiro do PT à CPI da Petrobrás

Ana Fernandes e José Roberto Castro, O Estado de S. Paulo

17 Abril 2015 | 12h34

SÃO PAULO - A deputada e ex-ministra dos Direitos Humanos Maria do Rosário (PT-RS) classificou nesta sexta-feira, 17, como fascista a declaração do líder do PSDB na Câmara, Carlos Sampaio (SP), de que o PT deveria ser extinto. "É uma visão fascista e que não podemos aceitar. Nós podemos ser julgados pelos erros, sim, de pessoas do PT. Mas não podemos aceitar que todos nós que somos petistas sejamos extintos. Temos direito à participação política e esse partido se constituiu com esse direito pela liberdade", disse a jornalistas ao chegar para reunião do diretório nacional na sede do partido, em São Paulo.

Sampaio afirmou durante depoimento do ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto à CPI da Petrobrás, na quinta-feira, 9, e repetiu em plenário na última quarta-feira, 15, quando Vaccari foi preso, que o Vaccari "tem tudo para ser preso e o PT, para ser extinto".

Maria do Rosário repetiu a argumentação do PT de que o partido vem sendo criminalizado, em meio às denúncias de corrupção na Petrobras. "Vejam bem que, em 1948, o Partido Comunista Brasileiro (PCB) foi jogado na ilegalidade. Em muitos momentos da história partidos foram jogados na ilegalidade em nome do interesse de classes dominantes", argumentou a ex-ministra.

Ao chegar à reunião, que tem entre as pautas principais a definição do sucessor de Vaccari, Rosário se disse esperançosa e inspirada para ajudar a elaborar respostas do PT à sociedade brasileira - lembrando que milhares são militantes do PT pelo País e que milhões ainda confiam na legenda. A ex-ministra admitiu que o momento por que passa a sigla é grave e disse que é necessário não apenas dar resposta à questão pontual de Vaccari, mas a todo um conjunto de questões.

"Talvez o que o PT mais precise não seja um cavalo-de-pau em direção a outro rumo, mas seja justamente voltar à sua origem e verificar nossas metas, aquilo que nós cumprimos. Somos um partido que fizemos muitas coisas boas para o Brasil", afirmou. A petista reforçou que o PT é o partido com origem em movimentos sociais e sindicais e que precisa voltar a cultivar esse laço com as ruas.

Sobre Vaccari, Rosário disse genericamente que o partido não deve "ficar atacando seus dirigentes" e comentou brevemente a prisão da última quarta-feira. Ela ressaltou não ser advogada e não ter o entendimento técnico para definir se a prisão foi injusta, mas afirmou ter estranhado a prisão preventiva de uma pessoa que estava cooperando com as investigações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.