Ex-juiz Nicolau deixa prisão na PF em São Paulo e vai para casa

Lalau foi beneficiado por um habeas-corpus concedido pelo TRF da 3ª Região na última quinta-feira

03 de agosto de 2007 | 18h13

O juiz federal Nicolau dos Santos Neto, conhecido como "Lalau", deixou na tarde desta sexta-feira, 3, a Superintendência da Polícia Federal em São Paulo, onde estava detido desde a semana passada aguardando a transferência para uma cela especial no sistema penitenciário paulista, segundo informação da assessoria de imprensa.   O ex-juiz foi beneficiado por um habeas-corpus concedido pelo Tribunal Regional Federal da 3ª Região na última quinta-feira. A decisão do desembargador Paulo Octávio Baptista Pereira permitiu que "Lalau" voltasse a cumprir prisão domiciliar.   Nicolau foi preso na última sexta-feira, 27, porque um laudo pericial teria concluído que o ex-juiz não tinha depressão grave e, portanto, não precisava cumprir a pena em casa. Ele ficou detido na Custódia da Polícia Federal, na Lapa, zona oeste da capital.   No dia 29 de maio, o Tribunal Regional Federal da 3a Região, de são Paulo, concedeu habeas-corpus que permitiu a prisão domiciliar enquanto Nicolau permanecesse no quadro de depressão reativa grave e estivesse na condição de preso provisório. Com os novos laudos, fornecidos pela equipe multidisciplinar, tal depressão está descartada.   Nicolau foi condenado a 26 anos e 6 meses de prisão sob acusação de ter desviado US$ 100 milhões das obras do Fórum Trabalhista de São Paulo. Os bens do juiz ficaram indisponíveis. Também foram condenados o ex-senador Luiz Estevão e os empresários responsáveis pela obra superfaturada, Fábio Monteiro de Barros Filho e José Eduardo Ferraz. Eles continuam soltos.   Em 2005, Nicolau foi condenado a uma pena de sete anos e seis meses de reclusão em regime fechado, pelo crime de sonegação fiscal. Ele já havia sofrido processo por sonegação do imposto de renda de pessoa física entre os anos de 1995 e 1999.   (Com Agência Brasil)

Tudo o que sabemos sobre:
Nicolau dos Santos Netolalau

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.