Wilton Júnior|Estadão
Wilton Júnior|Estadão

Ex-governador do Rio Anthony Garotinho paga fiança de R$ 88 mil estipulada pelo TSE

“Ele está solto. A fiança foi paga ontem e o alvará de soltura cumprido”, disse um dos advogados de Garotinho, Fernando Fernandes

Mariana Durão, RIO

26 de novembro de 2016 | 11h57

O ex-governador do Rio Anthony Garotinho pagou a fiança de R$ 88 mil estipulada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para revogar sua prisão preventiva, confirmou o Tribunal Regional Eleitoral do Rio (TRE-RJ). Em nota, o tribunal informou ter recebido ontem um comunicado  com o voto da ministra Luciana Lóssio, determinando o imediato cumprimento da decisão do TSE. O tribunal decidiu liberar o ex-governador por 6 votos a 1 na última quinta-feira.  

O Juízo da 100ª ZE (Campos dos Goytacazes) determinou que fosse aberta uma conta depósito para o pagamento da fiança e comunicou o advogado de Garotinho.  Um oficial de justiça foi à residência do ex-governador no Rio de Janeiro ontem à noite para cumprir a decisão que revogou a prisão e, além disso, pegar a assinatura de Anthony Garotinho no documento em que ele se compromete a cumprir todas as medidas cautelares impostas na decisão. 

“Ele está solto. A fiança foi paga ontem e o alvará de soltura cumprido”, disse um dos advogados de Garotinho, Fernando Fernandes. Garotinho responderá ao processo em liberdade e, segundo Fernandes, o próximo passo é apresentar sua defesa. Além disso, Fernandes reafirmou que seu cliente vai processar todos os agentes públicos responsáveis por sua retirada do hospital Souza Aguiar, desde o juiz que determinou a transferência para o Complexo de Gericinó até os policiais responsáveis por sua colocação na ambulância. “Vamos começar a preparar essas ações”, disse.

Garotinho foi preso pela Polícia Federal na semana passada na Operação Chequinho, que investiga o uso do programa Cheque Cidadão, do município de Campos dos Goytacazes, para obter apoio eleitoral. O ex-governador atuava como secretário municipal de governo na gestão de sua mulher, Rosinha Garotinho, que também já foi governadora do Estado e atualmente é a prefeita de Campos 

A decisão do TSE impôs restrições a Garotinho. O ex-governador deverá permanecer no endereço onde está, no bairro do Flamengo, zona sul do Rio, e não poderá viajar à cidade de Campos dos Goytacazes. Ele também está impedido de manter contato com testemunhas do processo ao qual responde, de possível compra de votos. O ex-governador poderá deixar o Rio por até três dias. Uma das possíveis viagens será a Brasília, onde Garotinho pretende se encontrar com o procurador-geral da República, Rodrigo Janot. 

Fidel. Em seu primeiro dia em liberdade, Garotinho fez uma postagem em seu blog lamentando a morte do líder cubano Fidel Castro. “Foi com profunda tristeza que recebi hoje pela manhã a notícia da morte de Fidel Castro. Estive com ele em várias oportunidades”, disse Garotinho, relatando um episódio em que estava reunido no Palácio Guanabara com alguns secretários quando foi informado pelo embaixador cubano de que Fidel estava no Brasil e queria lhe dar um abraço. “Fecharam um hotel em Copacabana e eu ele conversamos longamente. Perguntou como estavam as coisas, perguntou por Frei Betto e disse que a sua ministra da Educação estava terminando de ler aquela Bíblia que eu havia lhe dado quatro anos antes”, conta o ex-governador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.