Ex-governador do Acre é denunciado por fraude

O Ministério Público do Acre denunciou ontem o ex-governador Orleir Cameli por desvio fraudulento de R$ 24.727.599,88 em recursos públicos entre 1995 e 1998. Depois de dois anos de investigação, o procurador Cosmo de Souza identificou um esquema montado no Gabinete Civil que utilizava recursos da rubrica "suprimento de fundos", que eram transformadas em "verba secreta", cuja movimentação não precisava de prestação de contas. A fraude era amparada pela lei 642/96, criada e sancionada por Cameli. A lei instituiu um dispositivo contábil para suprir necessidades tidas como emergenciais do Estado, de uso exclusivo do governador, chamado tecnicamente de "verba de caráter reservado". O ex-governador, afirma o MP, usava o chefe do Gabinente Civil como ordenadores de despesa e assessores como supridos. Em depoimento, todos disseram que nada sabiam sobre o destino do dinheiro, que muitas vezes era sacado na boca do caixa e levado em sacolas a Orleir. No total, feita a correção do dinheiro, o rombo pode chegar a R$ 40 milhões. Todos os processos foram autorizados pela Assembléia Legislativa, que não se pronunciou. Souza está processando Orleir por improbidade administrativa, pedindo que seja condenado a devolver o dinheiro devidamente corrigido e a ficar sem direitos políticos. Além do ex-governador, estão citados na ação mais oito pessoas. Por intermédio do advogado Alberto Simonetti, o ex-governador negou com veemência as acusações. "As alegações são insubsistentes", afirmou Simonetti.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.