Ex-fumante perde ação movida contra a Souza Cruz

A juíza Lucília Alcione Prata, da 1ª Vara Cível de Santos, julgou improcedente a ação movida pela ex-fumante Francelina Montenegro de Melo que, alegando danos morais, pretendia obter da Souza Cruz indenização de 10 mil salários mínimos, equivalente a R$ 1,8 milhão, decorrente do fato de ter contraído tuberculose, catarata, problemas respiratórios e circulatórios, doenças que teriam sido provocadas pelo consumo de dois a três maços de cigarros por dia. Só na região da Baixada Santista, a empresa possui 19 ações em curso, sendo 16 no Fórum de Santos.A juíza não aceitou a argumentação do advogado de Francelina, de que a Souza Cruz foi responsável pelos males provocados à ex-fumante, tendo em vista que ela começou a fumar quando era adolescente, continuou a fazê-lo como adulta, por sua vontade exclusiva. A magistrada observou ainda que não se pode estabelecer nexo causal entre o dano alegado à saúde e o consumo de cigarros produzidos pela companhia, tendo em vista que existem inúmeras marcas de outros fabricantes, até clandestinos. De acordo com a assessoria de imprensa da companhia, com esta sentença, a Souza Cruz atinge a marca de 50 decisões favoráveis, dentre as muitas ações movidas por ex-fumantes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.