Ex-diretora da Anac confirma no Senado acusações contra Dilma

A ex-diretora da Agência Nacional deAviação Civil, Denise Abreu, reiterou em depoimento à Comissãode Infra-Estrutura do Senado as pressões que teria recebido porparte da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, no episódio davenda da Varig em 2006. Dilma teria questionado as exigências requeridas por Deniseem relação aos sócios da empresa Volo, interessada na compra daVarigLog. Ela relatou à comissão, em cerca de uma hora e meia deapresentação, que fez três demandas, entre elas pedido de cópiade declaração do Imposto de Renda dos três sócios brasileiros. "Disseram (na Casa Civil) que eu estava extrapolando porqueImposto de Renda não demonstra a capacidade financeirapessoal", disse.Também foi questionado o pedido de que o Banco Centralfornecesse informações sobre a entrada dos recursos do sócionorte-americano, o fundo Matlin Patterson. Ela disse que cobrouainda a apresentação de um "contrato de mútuo", contrato entreos interessados na Varig. Denise disse que Dilma, que já negou as acusações, afirmouque as exigências não estavam na lei ao que a ex-diretora daAnac respondeu que a lei é questão de interpretação e que aocapital estrangeiro só é possível ingressar com 20 por cento emuma empresa aérea. Reuniões da diretoria da Anac sobre a Varig aconteciam naCasa Civil, eram demoradas e levavam até nove horas, segundoDenise. "Éramos muito questionados nessas reuniões. Uma delas, denove horas, chegou a ser uma sabatina", disse. "Éramos tratadoscom truculência." Denise também voltou a acusar o advogado Roberto Teixeira,amigo pessoal do presidente Lula e contratado pelos compradoresda Varig, de efetuar tráfico de influência junto ao governopara beneficiar a empresa. A VarigLog, empresa de cargas, foi vendida pela Varig emjaneiro de 2006 a uma sociedade entre o fundo norte-americano etrês empresários brasileiros. Seis meses depois, a VarigLogcomprou a própria Varig por 24 milhões de dólares e em março de2007, a Gol adquiriu a empresa por 320 milhões de dólares. Denise levou à sala da comissão uma mala de viagem comdocumentos, para a qual teria pedido segurança reforçada doSenado. Citou inúmeras vezes reportagens da imprensa sobre avenda da Varig como documentos que teria trazido e por ondeteria se informado sobre detalhes do caso. Depois de procurar dirigentes do PSDB, entre eles opresidente do partido, senador Sérgio Guerra, Denise afirmouque seu advogado recomendou que ela fizesse as denúncias contraa Casa Civil diretamente à imprensa, o que resultou em matériapublicada pelo jornal O Estado de S.Paulo em 4 de junho. Denise Abreu esteve à frente da Anac entre 2006 e agosto de2007, quando deixou a agência sob acusação de ter sidoresponsável pela crise aérea.(Reportagem de Carmen Munari)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.