Aniele Nascimento/Gazeta do Povo
Aniele Nascimento/Gazeta do Povo

Ex-diretor, doleiro e lobista estão proibidos de se comunicarem

Nestor Cerveró, Alberto Youssef e Fernando Baiano estão em celas separadas na superintendência da PF em Curitiba

Andreza Matais e Fernanda Nunes, O Estado de S. Paulo

15 de janeiro de 2015 | 21h22

Brasília - Por determinação da Polícia Federal, o ex-diretor da Petrobrás Nestor Cerveró não poderá se comunicar com o doleiro Alberto Youssef ou com o lobista Fernando Baiano.

Os três estão presos em celas separadas na superintendência da PF em Curitiba, acusados de envolvimento no esquema de corrupção da Petrobrás. Apesar de estarem na mesma ala, a ordem é para que não se comuniquem. As celas são divididas por paredes, o que evita o contato. 


A medida foi tomada para que não combinem depoimentos nem se devem ou não fazer delação premiada. Baiano tem se recusado a colaborar com as investigações da Operação Lava Jato. Seu novo advogado, o criminalista Nélio Machado, afirmou que vai recorrer a um estratégica “clássica” de defesa, descartando a delação. No primeiro depoimento desde a prisão na quarta-feira, Cerveró respondeu às perguntas dos investigadores até o ponto de não se incriminar.


Os três só terão companhia na cela quando houver, eventualmente, necessidade de acomodar um preso comum no aguardo de transferência. Os demais 11 presos pela Lava Jato - lista que inclui executivos das maiores empreiteiras do país - dividem o mesmo espaço na superintendência e não têm restrição de comunicação entre si.

Tudo o que sabemos sobre:
Operação Lava JatoPolicia Federal

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.