Ex-diretor do Senado recebe políticos em casamento de filha

Ex-diretor do Senado recebe políticos em casamento de filha

Agaciel Maia pediu afastamento do cargo após vir à tona que sonegou a compra de uma casa de R$ 5 milhões

Dida Sampaio/AE,

10 de junho de 2009 | 22h47

O ex-diretor-geral do Senado Agaciel Maia recebeu na noite desta quarta-feira, 10,políticos e amigos para celebrar o casamento da filha, Maiana, com Rodrigo Cruz, num salões mais luxuosos de Brasília. O novo genro é um desconhecido dos corredores do Senado. Mas uma figura recorrente nos atos secretos da Casa.

 

Veja também:

 forumOpine: Anular atos resolve irregularidades?  

especialEntenda o escândalo dos cargos e benesses do Senado

linkNão pedi a nomeação do meu neto no Senado, diz Sarney

linkSenado utiliza 300 atos secretos para criar cargos
 
 
Do sogro, ele não tem o que reclamar. Em 18 de janeiro de 2007, Cruz foi nomeado por Agaciel Maia, por meio do ato de número 95, para trabalhar como assistente-parlamentar no gabinete do então senador Maguito Vilela (PMDB-GO) pelo salário de R$ 2,6 mil. Um ano depois, uma promoção: o genro do homem mais poderoso da administração do Senado virou secretário do curso de Educação do Interlegis, programa digital da Casa para o ensino legislativo, um dos principais braços políticos de Agaciel Maia.

 

O salário subiu para R$ 8,1 mil. O Interlegis serviu, por exemplo, para abrigar os aliados políticos do ex-primeiro-secretário Efraim Morais (DEM-PB) na Paraíba. O mecanismo? Ato secreto. As movimentações internas do genro de Agaciel Maia no Senado foram todas assinadas pelo então diretor-adjunto e hoje diretor-geral, José Alexandre Gazineo.

 

Em 10 de outubro do ano passado, durante o cumprimento da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) antinepotismo, Agaciel foi obrigado a demitir o genro. Mas escondeu a decisão, numa tentativa de esconder o loteamento familiar do Senado. A exoneração saiu num ato secreto. A mulher do ex-diretor, Sânzia Maia, perdeu a cadeira de comando da Secretaria de Estágios com a decisão do Supremo. Procurados pela reportagem, Agaciel e Rodrigo Cruz não respoderam a reportagem.

 

Agaciel

 

Agaciel Maia pediu afastamento do cargo após vir à tona que sonegou a compra de uma casa de R$ 5 milhões em Brasília. Ele trabalhava há 33 anos no Senado e estava há 14 na diretoria-geral. Quando saiu, foi aclamado por 104 chefes de serviço, subsecretários e coordenadores que agraciou com status de diretor, aumento salarial e vaga na garagem do prédio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.