Ex-diretor da Delta é preso em operação policial em GO

Ação coordenada pela Polícia Civil e pelo Ministério Público do DF é desdobramendo da Operação Monte Carlo, que investigou negócios de Carlinhos Cachoeira

Fernando Gallo e Alana Rizzo, de O Estado de S.Paulo

25 de abril de 2012 | 10h11

Atualizado às 12h25

O ex-diretor da Delta, Cláudio Abreu, foi preso nesta quarta-feira, 25, em operação coordenada pelo Ministério Público do Distrito Federal e a Polícia Civil do Distrito Federal. A operação, batizada de Saint-Michel, é desdobramento da Operação Monte Carlo, que investigou os negócios do contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, e revelou as ligações entre ele e agentes públicos.

A Saint-Michel cumpriu mandados de prisão preventiva e mandados de busca e apreensão em Brasília, São Paulo, Anápolis e Goiânia. Foi pedida também a prisão de um diretor da Delta, em São Paulo, e de um servidor da Secretaria de Planejamento do Distrito Federal.

De acordo com as investigações, esse funcionário teria recebido propina para facilitar a entrada de Carlinhos Cachoeira, na concessão do serviço de bilhetagem eletrônica dos ônibus do Distrito Federal, em sociedade com a Delta Construções.

Foi preso ainda pela Saint Michel o vereador de Anápolis (GO) Wesley Clayton da Silva (PMDB), vice-presidente da Câmara. Ainda não há detalhes sobre seu envolvimento no caso. Segundo o Ministério Público do DF, Wesley Silva e Cláudio Abreu serão levados para Deco (Divisão especial de repressão ao crime organizado) no Distrito Federal.

Cláudio Abreu era diretor da Delta no Centro-Oeste e segundo a Polícia Federal mantinha um patrimônio incompatível com seus rendimentos. A construtora é suspeita de envolvimento com Cachoeira e é alvo de processo da Controladoria-Geral da União (CGU) para apurar irregularidades da empresa em obras em nove Estados. A apuração se baseia na Operação Monte Carlo, que mostrou indícios de tráfico de influência da empreiteira no serviço público. / COLABOROU GUSTAVO VILLAS BÔAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.