Dida Sampaio|Estadão
Dida Sampaio|Estadão

Ex-deputado Vaccarezza nega doação ilegal e diz que vai processar Sérgio Machado

Ex-presidente da Transpetro afirmou que o petista o teria procurado para pedir ajuda financeira para sua campanha a deputado em 2010

Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

16 de junho de 2016 | 13h39

BRASÍLIA - O ex-deputado federal Cândido Vaccarezza (PT-SP) negou nesta quinta-feira, 16, que o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado (PMDB) tenha intermediado doações ilegais para sua campanha eleitoral de 2010, como afirmou o peemedebista em delação premiada. O petista disse que vai processar Machado por danos morais e por denunciação caluniosa.

Em delação no âmbito da Operação Lava Jato tornada pública nessa quarta-feira, 15, o ex-presidente da Transpetro afirmou que Vaccarezza o teria procurado para pedir ajuda financeira para sua campanha a deputado em 2010. Machado disse que teria repassado cerca de R$ 500 mil, arrecadados de forma ilegal, ao ex-deputado por meio de uma doação oficial ao diretório do PT de São Paulo.

Vaccarezza afirmou que não recebeu qualquer repasse do diretório estadual do PT e que isso pode ser comprovado em sua prestação de contas aprovada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Na prestação divulgada no site da corte eleitoral, não há, de fato, repasses do diretório estadual petista. Aparece apenas que o ex-deputado federal recebeu repasses do diretório nacional do PT.

O ex-parlamentar lembrou que, diferente do PT, sempre defendeu financiamento empresarial de campanha. Ele sustenta que nunca precisou de intermediários para conseguir doações, pois sempre teve relação com empresários. Apesar de ter recebido doação de empreiteiras investigadas pela Lava Jato, como a UTC e Camargo Corrêa, ele diz que todas suas doações foram legais. "Nunca fiz caixa dois", afirma.

Vaccarezza declarou ainda que nunca conversou com Sérgio Machado sobre pedido de doações. "Não tinha intimidade para falar sobre isso", afirmou o petista, que foi líder do governo Luiz Inácio Lula da Silva na Câmara. O petista classificou as acusações do ex-presidente da Transpetro contra ele como "mentirosas" e "criminosas" e disse que não tem nada a dever à Justiça ou à polícia.

O ex-deputado classificou como "muito esquisita" a delação de Machado. "Ele fala em propina de R$ 2 bilhões, mas só vai devolver R$ 75 milhões", afirmou Vaccarezza em entrevista coletiva no Salão Verde da Câmara. Antes da entrevista, ele encontrou com o presidente interino da Casa, Waldir Maranhão (PP-MA). "Fui apenas pedir autorização para dar a entrevista", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.