Ex-deputado Sérgio Naya morre aos 66 anos na Bahia

Em 1998, edifício no Rio construído por sua empresa ruiu, matando oito

Tiago Décimo, O Estadao de S.Paulo

21 de fevereiro de 2009 | 00h00

O empresário e ex-deputado Sérgio Naya, de 66 anos, foi encontrado morto, na tarde de ontem, no quarto do hotel em que estava hospedado em Ilhéus, 459 quilômetros ao sul de Salvador. Mineiro de Laranjal, Naya ficou nacionalmente conhecido em 1998, quando o edifício Palace 2, construído por sua construtora, ruiu no Rio, causando a morte de oito pessoas. O ex-deputado estava hospedado na cidade baiana, sozinho em um quarto, desde o dia 13. Tinha saída marcada para ontem, mas avisara a gerência que estava pensando em estender a hospedagem até hoje.Era a quarta vez que Naya se hospedava no Hotel Jardim Atlântico, de propriedade de Néa Machado e Raimundo Machado Junior, casal de amigos de Itabuna. Segundo uma funcionária da recepção, ele era sempre muito simpático, mas bastante reservado. Nas conversas, porém, teria dado indicações de que planejava algum investimento na cidade. Ontem, funcionários do hotel estranharam o fato de ele não ter aparecido no café da manhã, pois acordava cedo para caminhar. Néa Machado informou que Naya foi visto pela última vez na noite de quinta-feira.Na tarde de ontem, o motorista contratado pelo ex-deputado, preocupado com o atraso do cliente, pediu para que fosse chamado. Segundo Néa, ele foi procurado por funcionários do hotel antes que a gerência decidisse entrar em seu quarto, pouco antes das 16 horas, onde encontraram o corpo sobre a cama, coberto. Foi encaminhado para o Instituto Médico Legal uma hora depois. A principal suspeita é de que Naya tenha sofrido um enfarte enquanto dormia, mas o laudo oficial do IML deve ser conhecido apenas em 30 dias.A titular da Delegacia de Proteção ao Turista (Deltur) de Ilhéus, Adriana Paternostro, reclamou da retirada do corpo sem seu conhecimento. Segundo ela, as investigações podem ficar prejudicadas. "Não fomos comunicados sobre a morte, nem autorizamos a retirada do corpo."O velório e o enterro devem ser realizados em Laranjal. Naya foi deputado por Minas por três mandatos, entre 1987 e 1999, e era dono da empreiteira Sersan.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.