Ex-deputado Cleto Falcão morre aos 58 anos em Maceió

Político foi um dos principais articuladores da candidatura de Fernando Collor à presidência da República

Ricardo Rodrigues, da Agência Estado

24 Setembro 2011 | 12h18

O ex-deputado federal Cleto Falcão, 58 anos, morreu na madrugada deste sábado, 24, na Santa Casa de Misericórdia de Maceió, em decorrência de um câncer. Ele era pernambucano de nascimento, mas sempre morou em Alagoas, onde sua família fez política, sob o comando do ex-governador Muniz Falcão, e aliou-se ao senador Fernando Collor (PTB-AL). Formado em Direito, atuou também como político e escritor. Falcão deixa dois filhos e vários livros publicados, entre eles "Dez anos de silêncio", lançado em 2004.

Na política, foi deputado estadual e em 1990 foi eleito deputado federal pelo PRN. Falcão foi um dos principais articuladores da candidatura do então governador de Alagoas, Fernando Collor, à presidência da República. Eleito presidente, Collor escolheu Falcão para ocupar o posto de líder do partido do governo na Câmara dos Deputados. Com o fim da "República das Alagoas", Cleto disputou a reeleição, mas não conseguiu retornar à Câmara. Sem mandato, passou a escrever livros e a viver com uma aposentadoria da Assembleia Legislativa de Alagoas.

De acordo com sua família, o corpo de Cleto Falcão será velado até as 14h30 deste sábado, no Campo Santo Parque das Flores, em Maceió. De lá, segue para Recife, onde será cremado, atendendo ao pedido do próprio político. O ex-deputado fazia tratamento contra um câncer de fígado e estava hospitalizado havia mais de um mês na Santa Casa de Misericórdia, onde morreu nas primeiras horas deste sábado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.