Divulgação
Divulgação

Ex de Galisteu devolve R$ 21 mil à Câmara por gasto em viagem

Deputado é acusado de bancar passagens da apresentadora, da ex-sogra e de atores com verba pública

Luciana Nunes Leal, da Agência Estado,

14 de abril de 2009 | 17h03

O deputado Fábio Faria (PMN-RN) devolveu à Câmara R$ 21.343,60 como ressarcimento pelo uso irregular da cota de passagens aéreas a que tem direito. O recurso tinha sido usado para pagar uma viagem da ex-sogra do deputado, Emma Galisteu, aos Estados Unidos e passagens de artistas convidados para o camarote do deputado no Carnatal - carnaval fora de hora em Natal.

 

Veja também:

link Deputado é acusado de pagar viagens de Galisteu e de atores

link Faria devolverá dinheiro 'se achar que deve', diz Michel Temer

 

Também receberam passagens pagas com a verba pública outros profissionais, como uma arquiteta, um estilista e um assessor de imprensa. O deputado não devolveu os valores equivalentes a sete passagens - pagas com a cota do gabinete - emitidas no nome da ex-namorada do deputado Adriane Galisteu, apresentadora de TV, no ano passado.

 

Faria argumentou que, na época, Adriane era sua companheira e poderia, nessa condição, receber as passagens.

 

O depósito foi feito às 15h09 desta terça como pagamento de Guia de Recolhimento à União (GRU), saído da conta particular do deputado. O presidente da Câmara, deputado Michel Temer (PMDB-SP), disse, no início da tarde, que em algum momento a Mesa Diretora terá que discutir regras para o uso da cota de passagens aéreas.

 

Já o terceiro-secretário da Câmara, deputado Odair Cunha (PT-MG), responsável pela distribuição das cotas, afirmou, no início da tarde, que não há possibilidade de alteração nas normas. Atualmente, não há regra clara para o uso das cotas. Os deputados recebem valores que variam de acordo com o Estado de origem e não precisam prestar contas sobre os bilhetes emitidos, seja sobre o trecho viajado, os nomes dos passageiros ou o preço das passagens aéreas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.