Ex-chefe da Sudam depõe e nega fraudes

O ex-superintendente da extinta Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia (Sudam), Maurício Vasconcelos, negou hoje envolvimento na aprovação irregular de projetos do órgão, principalmente da empresa Usimar, pertencente ao empresário José Osmar Borges, ex-sócio do presidente licenciado do Congresso, senador Jader Barbalho (PMDB-PA). Vasconcelos rejeitou as acusações feitas numa sindicância interna da Sudam, de que seria conivente com as fraudes, afirmando ter sido o primeiro a tomar providências, tão logo as irregularidades chegaram ao seu conhecimento. Vasconcelos foi nomeado para o cargo por interferência de Jader.Em depoimento prestado na sede da Agência de Desenvolvimento da Amazônia (ADA) aos procuradores da União Miguel Ferreira Peres, Francisco Vicente Prado Catunda e Francisco Ferreira de Macedo, o ex-superintendente apresentou documentos onde constariam medidas tomadas por ele para eliminar irregularidades.No caso da Usimar, Vasconcelos disse que mandou sustar liberações de recursos determinadas na gestão do antecessor, José Artur Guedes Tourinho. O advogado Alberto Campos, que defende Vasconcelos, afirmou que o cliente é "inocente". Segundo ele, se houve projetos ilegais no órgão, estes foram aprovados pela maioria do Conselho Deliberativo (Condel) da Sudam. Campos disse que Vasconcelos não poderá responder a processo administrativo. "Ele nunca foi funcionário da Sudam. Ocupou um cargo por decreto de nomeação."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.