Ex-chefe da Abin no Rio ganha cargo estratégico em Brasília

Na unidade que chefiou, PF apreendeu micros com arquivos pornográficos

Tânia Monteiro, O Estadao de S.Paulo

13 de dezembro de 2008 | 00h00

Ex-chefe do escritório da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) no Rio - onde a Polícia Federal apreendeu computadores com arquivos pornográficos -, o agente Joubert Martins Moreira ganhou um cargo estratégico em Brasília.Ele vai assumir a Coordenadoria-Geral da Segurança Corporativa, responsável pela segurança do sistema de computadores da agência.A sua nomeação foi publicada no Diário Oficial do dia 8 de dezembro, sob códigos, apenas com número de matrícula e parte do nome do novo posto - "coordenador-geral". Joubert tinha sido afastado do escritório do Rio depois de revelada a extensão da participação de agentes sob o seu comando na Operação Satiagraha e da descoberta, pelos peritos da PF, do material pornográfico. Na quinta-feira, o Estado revelou o caso. A nomeação causou surpresa na instituição porque, no novo cargo, ele será responsável pela proteção de informações estratégicas que circulam na agência e pelo cumprimento da política de segurança, que determina que todos os documentos sejam armazenados na rede. Joubert foi nomeado para a coordenadoria de segurança corporativa pelo atual chefe da Abin, Wilson Roberto Trezza, que assumiu interinamente as funções, enquanto Paulo Lacerda está afastado do cargo, aguardando o final das investigações sobre vazamento na Operação Satiagraha.Para chefiar a Abin do Rio, foi nomeado Luiz Silvares, que ocupava o cargo para o qual foi designado, agora, Joubert. Além do superintendente da Abin do Rio, foram substituídos os superintendentes de Minas e do Paraná.Na quinta-feira, o GSI informou que a Corregedoria da Abin vai investigar quem inseriu o conteúdo pornográfico nos computadores usados pelos agentes na superintendência do Rio. Procurado ontem pela reportagem, Joubert não foi localizado para comentar a sua transferência.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.