Ex-assessora do PT de Londrina reafirma denúncias à CPI

O presidente da CPI dos Bingos, senador Efraim Moraes (PFL-PB), suspendeu o depoimento da ex-assessora do PT em Londrina Soraya Garcia para que ela se recuperasse de uma crise de choro. Soraya acusou o PT de Londrina de movimentar, na campanha para a eleição do atual prefeito daquela cidade, Nedson Micheletti, cerca de R$ 6,5 milhões, dos quais apenas R$ 1,5 milhão teriam sido oficialmente contabilizados. O restante, segundo ela, era dinheiro de caixa 2.Soraya começou a chorar quando questionada pelo líder do PFL, José Agripino (RN), sobre a forma como foi desqualificada na CPI pelos senadores petistas Tião Viana (AC) e Flávio Arns (PR). A depoente não apresentou provas de sua denúncias, o que motivou as críticas dos petistas. Disse que falava como uma pessoa que trabalhou na assessoria financeira da campanha. "A gente sabe quem traz dinheiro ou não", afirmou.Soraya disse que não sabia a origem do dinheiro, "a não ser 400 pilas" (R$ 400 mil) que, segundo afirmou, seu chefe na campanha, Augusto Hermeto Dias Júnior, da Executiva municipal e secretário da Gestão Pública da Prefeitura de Londrina, disse que teriam sido doados pela binacional Itaipu.Soraya disse que se filiou ao PT "por paixão", mas que hoje se sente envergonhada de tudo o que foi obrigada a compartilhar. Ela relatou que, desde que começou a fazer denúncias sobre caixa 2, não conseguiu mais nenhum emprego, vendo-se na contingência de viver da ajuda de desconhecidos. Mas afirmou que não se arrepende. "Se 1% dos brasileiros fizessem o que eu estou fazendo, o País já teria passado a limpo (a situação de corrupção)", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.