Ex-assessora de Lula pode ser investigada, diz revista

Uma comissão especial do governo investigou por dois meses a rotina a ex-assessora especial de Luiz Inácio Lula da Silva, Rosemary Noronha, e chegou à conclusão de que há suspeitas de tráfico de influência e de enriquecimento ilícito, informa revista Veja em sua edição deste final de semana. Segundo a reportagem, Rosemary, que cuidava da agenda do ex-presidente até 2007 e que chefiou o gabinete da Presidência da República em São Paulo de 2009 a 2012, se aproveitava da intimidade que desfrutava com lula "para se lucupletar do poder".

EQUIPE AE, Agência Estado

20 Abril 2013 | 11h13

A investigação resultou num documento de 120 páginas, que detalham a rotina da ex-assessora, apontando desde o pedido de favores ao "PR" - como ela costumava se referir a Lula - para obter vantagens pessoais até uso de carros oficiais para compromissos pessoais e regalias como uma estadia na embaixada de Roma.

Veja informa que Rose, como é conhecida no governo, usava de sua proximidade com o poder para se reunir com empresários que viam nela uma possibilidade de aproximação com servidores considerados inacessíveis do governo, intermediar contratos milionários em órgãos públicos e abrir caminho para nomeações em cargos de alto escalão. A reportagem diz que a ex-assessora fazia pedidos diários para dirigentes da Caixa, Banco do Brasil e Petrobras, entre outros.

A reportagem informa ainda que já foi aberto um processo administrativo na Controladoria-Geral da União e que Rosemary, descontente com a investigação interna, trocou o escritório de advocacia que fazia sua defesa - com advogados ligados ao PT - por outro, responsável por defender políticos do PSDB em vários processos.

Mais conteúdo sobre:
Lula Rosemary Noronha investigação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.