Evento da mídia trata Obama como favorito

O democrata BarackObama foi tratado como favorito à Casa Branca pelos magnatas damídia que participam de um evento anual em Idaho, embora amaioria deles tenha dúvida sobre como uma vitória do senadorafetaria seus negócios. Mas, num cenário de desaceleração econômica, desvalorizaçãodas ações de empresas de mídia e uma certa crise no setor deentretenimento, os empresários certamente esperam mudanças emWashington. O magnata Rupert Murdoch, dono do grupo News Corp., apoioucandidatos republicanos nos últimos anos, mas prevê uma amplavitória de Obama em novembro e se disse muito impressionado comele após uma hora de conversa. "Há um raio de esperança de que a América poderia sergrande sob Obama", disse Murdoch a repórteres na noite dequinta-feira. "Eu o encontrei por uma hora e estou seduzido.Mas também gosto do (candidato republicano, John) McCain",acrescentou ele, que oficialmente não apóia ninguém. Howard Stringer, presidente e executivo-chefe da Sony,disse à Reuters que Obama deve vencer, embora admitisse: "Nãosei se isso é bom para as empresas, com a crise do petróleo, acrise alimentar". A empresa de investimentos Allen & Co, patrocinadora doevento, colocou urnas para fazer uma eleição simulada entre osparticipantes --muitos deles executivos de Hollywood que jádeclararam apoio explícito a Obama, como Jeffrey Katzenberg, daDreamWorks Animation. Katzenberg, o diretor Steven Spielberg e seu sócio naDreamworks, David Geffen, estão organizando um evento dearrecadação de contribuições para Obama. Geffen e Spielberg nãoforam à conferência. "Em geral, o setor do entretenimento se inclina pelosdemocratas, mas hoje em dia você vê até mesmo muitosrepublicanos procurando mudança", disse Tom Freston,ex-presidente-executivo da Viacom, hoje na Firefly3. "O humordo país parece estar 80 por cento nessa direção, descontentecom o status quo." "De longe, a abordagem republicana está diante do montemais íngreme que se pode imaginar", disse outro participantefamoso, que pediu anonimato. Mas essa fonte também não sabe se Obama será tão bom para osetor de entretenimento. Os democratas tendem a adotar posturasregulatórias mais rígidas, o que inclui, por exemplo,restrições a grandes fusões, para preservar a concorrência."Não sou de acreditar que impostos mais altos sejam bons paraas empresas", disse o participante. (Reportagem adicional de Kenneth Li)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.