Europa e ONGs elogiam posição de Dilma sobre Irã

Países europeus e organizações não-governamentais (ONGs) na Organização das Nações Unidas (ONU) comemoraram as declarações da presidente eleita, Dilma Rousseff, de que estaria disposta a mudar o padrão de votação do País em resoluções que tratem das violações aos direitos das mulheres no Irã. No entanto, pediram que a mudança não se limite a temas relacionados à situação da mulher, mas aos direitos humanos em geral.

AE, Agência Estado

07 Dezembro 2010 | 09h06

Na Comissão Europeia, as declarações de Dilma foram também muito bem recebidas e uma mudança na posição do Brasil era esperada há anos. "O Brasil é uma democracia que tem um papel fundamental hoje nas relações internacionais. Estamos ansiosos para começar a trabalhar com a nova presidente", afirmou um diplomata, em um e-mail enviado ao jornal O Estado de S. Paulo.

No domingo, Dilma declarou em uma entrevista ao Washington Post que a decisão do Itamaraty de se abster em uma resolução na ONU que condenava o apedrejamento de Sakineh Ashtiani - iraniana condenada à morte por adultério - foi um erro. Há apenas uma semana, o chanceler Celso Amorim havia defendido a opção de abstenção do Brasil, alegando que ele não votava "nem para agradar a imprensa nem certas ONGs".

Nos bastidores, diplomatas europeus esperam que a declaração seja o início de uma mudança no posicionamento do Brasil, admitindo não apenas a necessidade de dialogar com os iranianos, mas também a necessidade de usar esse canal aberto com Teerã para pressionar o governo por modificações na proteção de direitos humanos no país. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.