Divulgação
Divulgação

Eunício reforça que só tomará medidas 'regimentalmente permitidas'

Em discurso, o senador peemedebista afirmou que vai defender o combate à corrupção, caso seja eleito para a presidência da Casa nesta quarta-feira, 1.º

Julia Lindner e Isabela Bonfim, O Estado de S.Paulo

01 de fevereiro de 2017 | 19h11

BRASÍLIA - Candidato à presidência do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE) afirmou que vai defender o combate à corrupção, caso seja eleito nesta quarta-feira, 1.º. Ele repetiu diversas vezes que atuará respeitando as normas do regimento interno do Senado. Entretanto, disse que a instituição precisará ser "firme e dura quando um poder se levantar contra o outro", sem interferir na harmonia entre Legislativo, Executivo e Judiciário.

"O Senado não pode perder a corrente contemporânea da luta contra a corrupção (...) É hora de resgatar a confiança nesse parlamento", afirmou no discurso. Eunício disse que respeitar o estado democrático de direito é um sinal de modernidade. "A sociedade nos cobra ser ágil, contemporâneo e, sobretudo, transparente nas decisões."

Ele declarou ainda que o Senado precisa atuar com os demais poderes para "colocar o Brasil nos trilhos". "Quero presidir uma casa unida, destinada à difícil missão de acalmar esse mar revolto da política", discursou.

Eunício reforçou que o Senado deve assumir este ano uma posição de protagonismo na retomada econômica. Entre as prioridades, destacou a reforma da previdência como uma medida "urgente" que em breve será apreciada pelos senadores. Além disso, afirmou que a Casa precisa buscar caminhos para ajudar governadores e prefeitos a sair da crise.

Outras prioridades defendidas por Eunício é colaborar para que o País solucione a crise penitenciária e o desemprego. Em sua gestão, ele disse que internamente vai buscar dar mais espaço para as minorias.

Também acatou sugestões do senador Roberto Requião (PMDB-PR) e disse que as comissões especiais devem ser reduzidas e não "podem virar rotina". A distribuição das relatorias, segundo ele, também devem ser democratizadas como uma "mudança de costume".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.