Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Eunício diz que investigação relacionada a JBS deve ser 'profunda' e 'sem vazamentos pontuais'

Presidente do Senado afirmou ter certeza de que o Ministério Público 'não tem compromisso com o erro'

Renan Truffi, O Estado de S.Paulo

05 Setembro 2017 | 15h20

BRASÍLIA - O presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), defendeu nesta terça-feira, 5, que as investigações relacionadas às delações da JBS sejam profundas e cortem "na carne" de quem praticou "atos adversos". O peemedebista aproveitou o anúncio do procurador-geral da República (PGR) para criticar os vazamentos seletivos e pontuais à imprensa.

"Quando aconteceram primeiras delações, eu vim dizer que era contra os vazamentos. As investigações precisam ser bem feitas, concluídas e depois anunciadas. Eu, da mesma forma, espero e tenho certeza que o MP não tem compromisso com o erro. Espero que as investigações sejam verdadeiramente aprofundadas. E se tiver que cortar, que corte nas carnes de quem praticou atos adversos à moral e à boa pratica pública", afirmou o senador.

O presidente do Senado ainda aproveitou para criticar delatores que contam "qualquer história" para não serem presos. "[Os vazamentos] colocam nomes à disposição da opinião pública, por homens que cometeram delitos e, para não serem presos, contam qualquer história", disse.

Questionado se o possível cancelamento da delação da JBS enfraquece as denúncias contra o presidente Michel Temer, Eunício preferiu não opinar para ficar "isento".

"O Senado não participa desse processo [da denúncia contra Temer], é um processo que cabe exclusivamente à Câmara. E, como cabe ao presidente do Congresso, Eunício Oliveira, conduzir um eventual processo de eleição indireta, prefiro ficar distante para me manter isento", complementou.

Eunício Oliveira confirmou que a sessão do Congresso Nacional, marcada para 19h desta terça, está mantida para que os parlamentares concluam a votação da meta fiscal. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.