EUA ameaçam agora tratado sobre tabaco

Um grupo de 75 organizações não-governamentais de mais de50 países acusam os Estados Unidos de ameaçar mais um acordo internacional. Nas reuniões que ocorrem nesta semana em Genebra para a criação de um tratado internacional de controle do tabaco, os norte-americanos defendem posições contrárias à maioria dos países, o que está dificultando a negociação presidida pelo Brasil e que devem estar concluídas até fevereiro de 2003.Um dos pontos de atrito está relacionado à questão da propaganda do cigarro. Os norte-americanos estariam pressionando os países a não aceitarem uma proibição completa dos comerciais sobre o produto, ainda que mais 90 governos apoiem a idéia de banir promoções.Outros dois temas ainda colocam os Estados Unidos em uma posição contrária à maioria dos governos. Um deles é quanto à necessidade de se priorizar o tratado do tabaco sobre outros acordos internacionais, principalmente aqueles relacionados ao comércio. A proposta é defendida por mais de 100 países, mas a Casa Branca não aceita que o tema seja incluído no acordo. A outra questão se refere à necessidade das empresas de cigarropagarem pelos danos causados à saúde, ponto proposto por cerca de 70 governos. Washington, porém, rejeita a idéia de culpar as empresas pelos problemas de saúde que um fumante poderia ter. ResistênciaPara o grupo de ongs, liderado pela entidade Infact, os demais países devem resistir à pressão da Casa Branca e manter suas posições. O que as ongs temem que é que muitos governos estariam pensando em suavizar suas propostas para conseguir que os Estados Unidos não abandonen o acordo, como fez em vários outros tratados, como o do Clima e o do Tribunal Penal Internacional.Para o grupo, se os norte-americanos continuarem a pressionar osgovernos, os demais países devem seguir com os planos de adotar um acordo consistente, mesmo sem a presença dos Estados Unidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.