Valter Campanato|Agência Brasil
Valter Campanato|Agência Brasil

'Eu sei lá o que o PTB fez ou deixou de fazer', diz Cunha sobre manobras no Conselho de Ética

Segundo ele, manobra está sendo realizada pelo PMDB do Rio de Janeiro, que está nomeando deputados titulares do PTB e PSD para abrir vagas para suplentes do PMDB e, assim, favorecer a reeleição de Leonardo Picciani (RJ) para líder do PMDB na Câmara

Igor Gadelha, O Estado de S. Paulo

16 de fevereiro de 2016 | 12h59

Brasília - O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), rechaçou nesta terça-feira, 16, que esteja manobrando em parceria com o PTB para se favorecer no Conselho de Ética da Casa, onde é alvo de processo por quebra de decoro parlamentar. Segundo ele, manobra está sendo realizada pelo PMDB do Rio de Janeiro, que está nomeando deputados titulares do PTB e PSD para abrir vagas para suplentes do PMDB e, assim, favorecer a reeleição de Leonardo Picciani (RJ) para líder do PMDB na Câmara.

"Qualquer coisa que acontece no conselho vira manobra. Eu sei lá o que o PTB fez ou deixou de fazer. Eu tenho lá a ver com o que o PTB faz ou que os outros partidos fazem. Quantas pessoas já saíram e voltaram do conselho nesse período?", afirmou Cunha quando saia para o almoço no início desta tarde. A declaração foi uma resposta ao questionamento se tinha articulado a saída do deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), que já tinha declarado voto contrário a ele no colegiado, da vaga titular do Conselho de Ética.

Nesta terça, o deputado Nilton Capixaba (PTB-RO), que substituiu Sá por indicação do líder do PTB na Câmara e aliado de Cunha, Jovair Arantes (GO), acabou renunciando à vaga de titular do colegiado, deixando em aberto quem vai ocupar o posto.

"Manobra está sendo feita na tentativa de liderança do PMDB, que está trazendo titular, mas não para sair suplente do PMDB e sim para nomear deputados provisoriamente de outros partidos para crescer a bancada. Isso aí é que é a manobra", afirmou Cunha. Segundo ele, Picciani e a cúpula do PMDB do Rio articularam a nomeação dos deputados Alexandre Serfiots (PSD-RJ) e Deley (PTB-RJ) para vagas nas administrações estadual e municipal do Rio deixadas por Pedro Paulo e Marco Antônio Cabral, ambos do PMDB.

Pedro Paulo e Cabral se licenciaram nesta semana dos cargos de secretário e voltaram aos mandatos de deputados para apoiar a recondução de Picciani. A eleição ocorre nesta quarta-feira, 17. Com a nomeação de Serfiots e Deley para essas vagas dos peemedebistas cariocas, o presidente da Câmara, que apoia Hugo Motta (PMDB-PB) na disputa pela liderança de seu partido, lembrou que os suplentes que entrarão nas vagas deles são do PMDB e deverão apoiar Picciani.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.