?Eu preciso aprender a viver com o Bush?, afirma Lula

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse estar consciente que será uma tarefa difícil convencer o G-8, que reunirá os governos dos 8 países mais ricos e industrializados do mundo, no encontro de Evian, na França, de criar um fundo para investir na infra-estrutura dos países da América Latina, segundo o Financial Times. Lula disse que aprendeu a aceitar as diferenças entre ele e outros chefes de Estado. "Eu preciso aprender a viver com o Bush. Eu não posso pedir que ele se torne alguém que ele não é, e vice-versa", disse Lula, em entrevista a correspondentes estrangeiros, sobre o presidente dos Estados Unidos George W. Bush. "Políticos são como técnicos de futebol, eles podem gostar uns dos outros, mas querem que seus times vençam. Chirac, Bush, Blair podem gostar de mim, mas eles são apaixonados pelos por seus próprios povos?, afirmou. Lula alertou que a estabilidade política em alguns países da América Latina corre perigo, segundo o Financial Times. "Seis meses após uma eleição, o povo já está querendo tirar o presidente", disse Lula aos correspondentes estrangeiros. Por isso, Lula vai propor ao G-8 a criação do fundo como um pré-requisito para comércio e integração. "Não há estradas, pontes, aviões", disse Lula. "Como se pode ter integração com países tão pobres? Em alguns casos, nossos países são separados por um rio com 150 metros de largura e tudo que é necessário é uma ponte para nos unirmos." Segundo o diário britânico, a mensagem de Lula é endereçada particularmente aos Estados Unidos, que juntamente com o Brasil está co-presidindo as negociações para formação da Área de Livre Comércio das Américas (Alca). O presidente disse que o fundo de infra-estrutura é necessário. "Então poderemos discutir a Alca", avaliou. Como comparação, Lula disse que a integração de países como Espanha e Portugal com a União Européia foi possível apenas com a ajuda da Bruxelas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.