"Eu me arrependi de ter renunciado", diz Jader

"Eu me arrependi de ter renunciado". Foi a afirmação feita ontem à noite pelo senador Jader Barbalho (PMDB-PA), em discurso feito à bancada do PMDB que, em reunião, aprovou a indicação do senador Ramez Tebet (PMDB-MS) para o cargo de presidente do Senado. Ao falar aos colegas de partido, Barbalho disse que renunciou ao comando do Senado com o objetivo de pacificar as relações na Casa. No entanto, isso não teria ocorrido, segundo sua análise. "O PMDB é um partido perseguido no Senado", continuou o senador, para enfatizar que setores políticos, especificamente o PFL, continuam trabalhando contra seu partido. "E, para atingir o PMDB, tentam me atingir", queixou-se Barbalho.Com sua reconhecida capacidade retórica, Jader empolgou seu grupo político. "Parecia um orgasmo cívico", contou o senador José Fogaça (PMDB-RS), que disputou mas perdeu para Ramez Tebet a indicação da bancada. Embora tenha sido procurado pelo PFL e pela oposição para se candidatar diretamente no plenário, na eleição marcada para hoje, Fogaça recusou-se. "Vou respeitar a decisão do PMDB", informou. Ele ressaltou, entretanto, que Tebet conseguiu "a minoria dentro da própria bancada". "Mas não questiono o resultado, questiono o comando do PMDB", completou Fogaça, deixando claro seu descontentamento com a direção peemedebista. "Dentro do PMDB, há companheiros e inimigos. Sou um dos inimigos", concluiu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.