Eu li a lista, confessa Arruda

O ex-líder do governo no senado, José Roberto Arruda (PSDB-DF), confirmou, em pronunciamento na tribuna do Senado, que o depoimento da ex-diretora do Prodasen, Regina Célia Borges, é verdadeiro. Arruda também admitiu que esteve com a lista em seu poder e a entregou ao ex-presidente do Senado, senador Antônio Carlos Magalhães. "Recebi o envelope pardo, ele continha a lista (com os votos da sessão que cassou o ex-senador Luís Estevão). Eu li", confessou. Arruda que também disse ter testemunhado a ligação em que ACM agradeceu a Regina pela lista.Ele disse que decidiu voltar à tribuna por reconhecer que é seu dever dizer toda a verdade, e cumprir o que manda sua consciência e o desejo de seus familiares, amigos, colegas senadores e da sociedade brasileira. Arruda indagou sobre de que está sendo acusado - dizendo que não é por roubo, nem por corrupção ou desvio de dinheiro público, e nem enriquecimento ilícito. Arruda disse que está sendo acusado de ter consultado a ex-diretora do Prodasen a pedido do então presidente do senado, Antônio Carlos Magalhães, sobre a possibilidade de obter o resultado da votação secreta, que cassou o ex-senador Luiz Estevão. Arruda disse que é difícil negar a veracidade do depoimento de Regina Célia, "exceto por algum engano ou imprecisão de data", mas que esses enganos não comprometem em nada a veracidade dos fatos que ela relatou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.