´Eu fiz uma brincadeira´, diz Lula sobre ser idoso de esquerda

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva tentou desfazer o mal-estar causado pela declaração que fez na última terça-feira, em São Paulo, de que "quem tem 60 anos e se diz de esquerda tem problemas, e quem é jovem e se diz de direita também tem". Para ele, afirmação foi apenas uma "brincadeira". Ele argumentou que com o passar do tempo as pessoas deixam de adotar posicionamentos radicais em relação à política. "Quando a gente tem 60 anos, é a idade do ponto de equilíbrio, porque a gente não é nem um nem outro", disse. "A gente se transforma no caminho do meio, aquele caminho que precisa ser seguido pela sociedade." Em entrevista no Planalto, ele afirmou que a declaração foi uma brincadeira: "As pessoas perderam o humor. Me desculpem, mas acho que o humor é uma coisa que o País não pode perder. Eu fiz uma brincadeira. Lamentavelmente, parece que tem gente, no Brasil, que não gosta mais de humor, que acha que o humor é pecado." Reação O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso reagiu com ironias aos comentários do presidente Lula de que, com a idade, ´as pessoas caminham para o centro´.´Eu ouvi o Lula dizer que não é mais de esquerda. Ele agora é de centro. E centro, para ele, é o Delfim. Que maravilha, hein?´, comentou em entrevista à rádio CBN na última terça-feira, referindo-se ao deputado Delfim Netto (PMDB-SP), que foi ministro da Fazenda no regime militar. Velhos militantes da esquerda também reagiram com indignação à afirmação de Lula. Militante histórico do PT, hoje no PSOL, o professor Plínio de Arruda Sampaio, ironizou, do alto de seus 76 anos, o comentário do presidente. ´O fato de uma pessoa ficar velha não quer dizer que se tornou velhaca´, afirmou Plínio, que fez em vários momentos severas críticas a Lula e seu grupo, por discordar de sua linha ideológica. Ex-professor de Sociologia da Universidade de São Paulo (USP) e também militante histórico do PT, o sociólogo Francisco de Oliveira, de 73 anos, mais conhecido como Chico de Oliveira, também criticou a declaração de Lula. ´Continuo de esquerda, apesar da idade, e não me considero nem um pouco ultrapassado. A frase é típica do camaleonismo do presidente, que diz o que cada platéia quer ouvir, mas é um sinal de indigência cultural´, comentou ele, que está rompido com o partido. Colaborou Moacir Assunção

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.