Estudo mostra a realidade da deficiência física

Um estudo inédito da Fundação Banco do Brasil, em parceria com a Fundação Getúlio Vargas, mostra que o repasse de um salário mínimo a portadores de deficiência pelo governo por meio do Benefício de Prestação Continuada (BPC) cresceu 350% entre 1996 e 2001. Divulgado nesta terça-feira, o relatório ?Diversidade - Retratos da Deficiência no Brasil? considerou o grau de severidade das deficiências e revelou ainda que 14,5% da população brasileira apresenta algum tipo de limitação. Segundo o estudo, metade da população com mais de 60 anos sofre algum tipo de deficiência e a média de renda das pessoas com limitações físicas é de R$ 529, enquanto a de quem não as tem fica em torno de R$ 628. Além disso, é possível perceber diferenças na escolaridade: 27,61% dos deficientes não são alfabetizados. "Nota-se também uma certa concentração de deficientes no Nordeste, justamente por ser a região mais pobre", diz o chefe do Centro de Políticas Sociais da FGV, Marcelo Neri. A Paraíba lidera o ranking dos Estados com maior número de deficientes: 18,76% da população. Os dados do estudo ficarão disponíveis em bibliotecas e universidades públicas e nos sites www.cidadania-e.com.br e www.fgv.br/cps.

Agencia Estado,

22 Outubro 2003 | 01h57

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.