Estudo avalia efeito da música em tratamentos de câncer

Uma pesquisa desenvolvida pela Faculdade de Medicina do Centro de Ciências Médicas e Biológicas (CCMB) da Pontifícia Universidade Católica (PUC) está avaliando a eficácia da musicoterapia como método auxiliar de relaxamento nas aplicações quimioterápicas realizadas no Conjunto Hospitalar de Sorocaba (CHS). O trabalho é coordenado pelos médicos oncologistas Gilson Luchezi Delgado e Luiz Antonio Pires. A idéia de utilizar a música surgiu nos encontros que o grupo realiza no sentido de buscar alternativas que aumentem o grau de humanização no tratamento de pacientes. Com a musicoterapia, a equipe espera diminuir sintomas como náuseas e vômitos registrados durante as sessões. De acordo com Delgado, os resultados devem comprovar que a musicoterapia pode ser um método simples para o relaxamento. "É uma proposta pouco utilizada em todo o mundo." Ele destaca a importância da experiência como pesquisa científica. "No Brasil, somos poucos os interessados neste ramo." O objetivo é determinar se a música gravada em fita e utilizada de modo individual, com walkman, consegue reduzir o índice de estresse condicionado pela quimioterapia, produzindo alteração dos índices de ansiedade e redução de toxicidade precoce. A musicoterapia é aplicada a pacientes em início de tratamento e nas quimioterapias mais fortes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.