Estudo aponta alto número de crianças obesas em Sorocaba

Um de cada três alunos do ensino privado em Sorocaba, na faixa etária entre 10 e 14 anos, é obeso ou caminha para a obesidade, segundo estudo coordenado pela nutricionista Viviane Campos Leite Loyolla, especialista em nutrição clínica e saúde pública. A incidência é maior entre os estudantes de 10 anos. O trabalho mostrou que 42% deles apresenta peso acima no normal e, destes, cerca de um terço já é obeso. Foram avaliados 329 estudantes da 4ª à 6ª séries do ensino fundamental do Colégio Salesiano São José, tomado como parâmetro entre as escolas particulares da cidade. Segundo Viviane, o resultado comprova a alta incidência de sobrepeso e obesidade entre crianças e adolescentes de Sorocaba. "Os números que constatamos são maiores que os dados já conhecidos", afirmou. De acordo com estatística da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) divulgada em congresso no início deste ano, o índice médio de obesidade no País entre crianças a partir de 10 anos e adolescentes e varia de 15 e 25% conforme a região. A média encontrada em Sorocaba foi de 33,4%.Viviane realizou o trabalho de campo durante o mês de setembro. O objetivo era avaliar nutricionalmente cada criança para informar os pais sobre eventual necessidade de intervenção nos hábitos alimentares. Foi utilizado como critério o Índice de Massa Corporal (IMC) em relação à idade. Ela disse que os resultados foram surpreendentes. Entre os alunos de 13 anos, o índice de sobrepeso e obesidade atingiu 35%. Também foi constatado que, entre os portadores de peso excessivo nessa faixa etária, 63% eram do sexo masculino, o mesmo ocorrendo com 73% na faixa dos 10 anos. A nutricionista acredita que as meninas, desde cedo, têm maior preocupação com a estética. "Pudemos constatar que elas tentam manter-se magras, mesmo que isso signifique, em muitos casos, se alimentar de forma inadequada." O resultado do trabalho revelou a necessidade de intervir nos hábitos alimentares dos estudantes. Nos casos de obesidade é necessária a redução no consumo de calorias. Segundo Viviane, crianças de 10 a 15 anos obesas têm pelo menos 75% de chance de se tornarem adultas com problemas decorrentes do excesso de peso corporal. O aparecimento de patologias associadas, como diabetes, hipertensão, dislipidemia e problemas dermatológicos e ortopédicos ocorre de forma precoce. "Isso sem falar nos traumas emocionais e sociais, como a discriminação." Estudo realizado este ano pela Pontifícia Universidade Católica (PUC) já revelara, em Sorocaba, uma taxa alta de hipertensão entre estudantes matriculados no ensino médio. De 542 alunos pesquisados, com idade média de 17 anos, 15% apresentaram hipertensão, índice três vezes maior que a média dos Estados Unidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.