Estudo analisa perda populacional de cidades brasileiras

Dos 5507 municípios brasileiros existentes à época do último Censo (relativo a 2000), 1496 municípios, ou 27,2% do total, tiveram perda populacional entre 1991 e 2000, segundo divulgou hoje o IBGE. O estudo mostra que, juntos, os municípios com perda populacional concentravam 14,6 milhões de moradores em 2000 e que a maioria deles registrava população de até 50 mil habitantes. Houve uma relação direta desse conjunto com os novos municípios criados entre 1991 e 2000, de acordo com o IBGE. Os dados são parte da publicação "Tendências Demográficas: uma análise da amostra do Censo Demográfico 2000", que faz um retrospecto dos indicadores demográficos e socioeconômicos básicos revelados pelos censos e traça um recorte dos municípios brasileiros, analisando as tendências de crescimento ou declínio no período 1991/2000.Esses estudos demográficos somente serão atualizados com a realização do próximo censo de população, em 2010. Segundo o IBGE, entre os municípios com crescimento anual negativo, destacaram-se, pelo seu tamanho populacional, Ilhéus (BA), Nilópolis (RJ), São Caetano do Sul (SP) e Teófoli Otoni (MG). Ainda de acordo com a publicação, foram encontrados grandes pólos de perda populacional em regiões do extremo norte do Rio Grande do Sul, o oeste de Santa Catarina, em áreas próximas à fronteira com à Argentina, no eixo da BR 156; nos municípios da parte central do Estado do Paraná, próximos à fronteira com o Paraguai, no eixo da BR 385; assim como um grupo de municípios ao norte do Estado, perto dos limites com São Paulo. Outro pólo importante foi um corredor de municípios que vai de Minas Gerais até a Bahia, entre as BRs 101 e 116.Na região Nordeste, as principais perdas ocorreram nos municípios da fronteira de Alagoas e Pernambuco e nas regiões centrais da Paraíba e do Piauí. Na região Centro-Oeste, o grandes destaques foram os municípios do norte e oeste do Estado de Goiás e na região Norte, municípios pouco habitados do sudoeste regional. Segundo os técnicos do IBGE, os municípios com perda populacional têm mortalidade infantil bem acima da média nacional, chegando a 36,4 óbitos de menores de 1 ano de idade para cada 1000 nascidos vivos. Este valor ficou bem acima da taxa nacional em 2000, que foi de 29,7. A menor taxa (27,0) ficou com municípios que tiveram crescimento populacional entre 1,5% e 3,0% ao ano.Veja o estudo completo no site do IBGE

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.