Estudantes vão participar de campanha para avaliar audição

Trinta e oito mil escolas do País vão participar da segunda edição da campanha Quem Ouve Bem Aprende Melhor, que começa este mês.Em 2000, 117 mil crianças de 1ª e 2ª séries do ensino fundamental foram examinadas por médico, com suspeita de problema auditivo.Cerca de 3 mil delas precisavam de cirurgia, e 1.388, de prótese auditiva. A campanha é uma parceria dos Ministérios da Educação e da Saúde e a Sociedade Brasileira de Otologia. A deficiência auditiva prejudica o processo de alfabetização da criança. Desde a pré-escola, Samuel Nery, de 9 anos, era considerado desatento na sala de aula. Mas o problema não era desatenção.Depois de passar pela triagem da campanha, os médicos descobriram que Samuel tem deficiência no ouvido direito. "Como ouve bem com o esquerdo, ninguém, nem ele mesmo, percebia o problema", diz a mãe, Maria das Dores Nery. Depois que Samuel começou a usar a prótese auditiva, seu desempenho escolar mudou. "É como se ele estivesse mais atento. Antes, parecia estar longe das atividades da aula", conta a professora Marilena Soares, da Escola Estadual Ricardo Antônio Pecchio, em Carapicuíba. Até suas notas melhoraram. A prótese é gratuita.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.