Estudantes são detidos em frente ao gabinete de Sarney

Dez estudantes de um grupo que se intitula Coletivo Independente de Manifesto e Ativismo (Cima) entraram hoje no Senado, se posicionaram em frente ao gabinete do presidente da Casa, José Sarney (PMDB-AP), e abriram folhas de papel ofício com "Fora, Sarney" escrito em vermelho. Como o Regimento Interno do Senado proíbe manifestações dentro do prédio, os seguranças começaram a retirar à força os estudantes, que resistiram e foram detidos. Eles tiveram de prestar depoimento nas instalações da Polícia Legislativa, que funcionam na garagem do Senado.

CAROL PIRES, Agencia Estado

13 de agosto de 2009 | 17h55

Apesar de serem apenas dez estudantes, quando os agentes que os conduziam chegaram ao Salão Azul houve um princípio de tumulto, pois o grupo misturou-se a grande número de repórteres, fotógrafos, policiais legislativos e servidores. Enquanto os manifestantes eram levados à Polícia Legislativa, um deles, Rodrigo Grassi, coordenador do Cima, gritava para os seguranças: "Aqui, ninguém tem medo de prisão! Vocês deviam prender esses senadores. Estão prendendo estudantes, igual na época da ditadura."

Na terça-feira, os mesmos dez estudantes tentaram entrar no Senado carregando 12 caixas de pizza que simbolizavam o arquivamento de 11 denúncias contra Sarney e uma contra o líder do PMDB, Renan Calheiros (AL), no Conselho de Ética. A intenção deles era a de entregar as caixas ao presidente do Conselho de Ética, Paulo Duque (PMDB-RJ), mas foram impedidos de entrar no prédio.

Tudo o que sabemos sobre:
SenadoJosé Sarneyprotesto

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.