Estudantes protestam por cota de vagas

Alunos e ex-alunos da rede pública se acorrentaram às grades do câmpus da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), no Maracanã, zona norte, em protesto contra a demora da lei que destina 50% das vagas da instituição aos candidatos egressos de escola públicas. Um deles, que se identificou como André, chegou a subir numa cruz, imitando Jesus Cristo, para ilustrar a situação em que todos acreditam se encontrar. Eles alegam que já houve dois vestibulares, em janeiro e agora, e não houve a separação das vagas para eles e para os alunos de escolas particulares. A lei foi votada no inicio do ano e sancionada em abril pelo governador Anthony Garotinho. No texto aprovado pela Assembléia Legislativa, foi criada também uma comissão para estudar a regulamentação, que ainda não apresentou seus resultados. Logo após a manifestação dos vestibulandos, a Uerj divulgou uma nota oficial, explicando que não pode cumprir uma lei que não foi regulamentada e que só foi sancionada após a criação das normas para o vestibular de meio de ano. O coordenador de Vestibular da Uerj, Paulo Salgueiro, passou pela manifestação e reiterou que cabe à universidade cumprir a lei, dentro dos limites estabelecidos pelo governador e pela Assembléia Legislativa. Salgueiro lembrou que, historicamente, um terço dos candidatos inscritos no vestibular vem de escolas públicas, e a proporção se mantém entre os aprovados. "O que muda é a distribuição pelos cursos", ressaltou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.