Estudantes exigem saída de reitor da UnB

Cerca de 300 alunos ocupam prédio da reitoria e cobram investigação sobre uso irregular de verbas

Nélia Marquez, BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

04 de abril de 2008 | 00h00

Cerca de 300 estudantes ocuparam ontem o prédio da reitoria da Universidade de Brasília (UnB) para exigir que o reitor Timothy Mulholland deixe o cargo a fim de permitir que possam ser realizadas com isenção as investigações sobre uso irregular de recursos da instituição. "É uma ocupação de indignação com a situação da UnB", afirmou Adriano Dias, do Diretório Central de Estudantes (DCE). Segundo ele, os estudantes têm uma pauta extensa de reivindicações. "O reitor nunca recebeu a gente para negociar", contou.Antes da ocupação da reitoria, os estudantes fizeram uma passeata pela UnB. Alguns deles seguravam um caixão simbolizando o enterro do reitor e das fundações ligadas à universidade. O caixão foi depositado em cima da escrivaninha no gabinete do reitor.No fim da tarde, conforme relato de Adriano Dias, a procuradoria jurídica da UNB marcou para a noite uma reunião com os estudantes, com a participação de representantes dos professores. "Vamos passar a noite aqui", disse Adriano Dias.LUXONo mês passado, Mulholland depôs na CPI das ONGs no Senado. De acordo com investigações do Ministério Público do Distrito Federal, a Fundação de Empreendimentos Científicos e Tecnológicos (Finatec) - ligada à universidade - utilizou R$ 470 mil que seriam destinados à pesquisa científica para comprar móveis de luxo para seu apartamento funcional. Entre itens sofisticados para decorar o imóvel foram adquiridas lixeiras de até R$ 1 mil, equipamentos de TV e som, vasos com plantas diversas, além de utensílios domésticos. O reitor negou qualquer irregularidade.Depois do escândalo, Mulholland saiu às pressas do imóvel, o apartamento 603 do edifício Imperial Quartz, em uma superquadra da Asa Norte de Brasília. E emitiu uma nota, alegando que decidiu desocupá-lo, "sem qualquer apego pessoal, sensível à preocupação da comunidade universitária e para preservar a instituição".ELEIÇÕESAlém de protestar contra as irregularidades praticadas pelo atual reitor, os estudantes defendem a realização de eleições paritárias para a escolha de um sucessor para Mulholland, na qual os votos dos alunos e dos professores da universidade tenham o mesmo peso.Segundo Adriano Dias, o reitor não apareceu na universidade. No início da tarde, um grupo da Polícia Federal foi ao prédio da reitoria verificar o movimento, mas não houve confronto, , segundo o estudante Adriano. "Eles apenas queriam saber sobre as reivindicações", informou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.