Estudante conta como foi o acidente que matou 4 brasileiros

A estudante Marina Utsch disse em entrevista para a rádio da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) que o ônibus em que viajam os 42 estudantes brasileiros que seguiam para o Fórum Social Mundial não conseguiu fazer a curva e tombou. Quatro estudantes morreram e 15 ficaram feridos.Segundo ela, uma pedra à margem da rodovia evitou que o ônibus caísse em uma ribanceira. O acidente aconteceu por volta das 2h10 de Brasília na localidade de Uchumayo, a 12 quilômetros de Arequipa, no Peru.Segundo informações do site da universidade, Marina Utsch, que cursa o curso de Comunicação Social e estava também como correspondente da rádio UFMG Educativa e da TV UFMG, disse que os estudantes internados estão bem. A maioria sofreu traumas em pernas e braços. Eles estão internados em três hospitais de Arequipa: General de Arequipa, Regional Honorio Delgado e Yanahuara.A UFMG já entrou em contato com algumas das famílias e também com o Itamaraty. Está sendo estudado o envio de um avião das Forças Armadas para buscar os corpos dos quatro estudantes mortos. O Consulado do Brasil em Arequipa já está prestando auxílio aos jovens, informou o cônsul honorário, José Miguel Ribas ViscayaA viagem para Caracas, onde começou hoje o Fórum Social Mundial, foi organizada pelo Diretório Central da UFMG (DCE). De acordo com a universidade, ônibus foi fretado da empresa Labitur Turismo e Excursões, de Belo Horizonte.O agente da empresa responsável pelo fretamento, Marcos Lúcio Araújo, informou que os estudantes pediram que o percurso até a capital venezuelana seguisse por estradas brasileiras em direção ao Norte. Araújo informou que consultou empresas do Rio de Janeiro e de São Paulo que fazem esse percurso para verificar as condições das estradas e qual o melhor trajeto. O coordenador geral do DCE, Lucimar Pacheco, viajará para o Peru para acompanhar a situação das vítimas do acidente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.