"Estou à inteira disposição das pessoas sérias do MP e da PF", diz Lula

Ex-presidente fez um apelo para respeitarem a Dona Marisa, também acusada ontem pelo MP. Disse que não conhece os parentes "desses meninos", mas que "certamente não são melhores" que sua esposa

Álvaro Campos, Elizabeth Lopes e Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

15 de setembro de 2016 | 15h14

SÃO PAULO - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou, em coletiva de impresa nesta quinta-feira, 15, que está à disposição para ser investigado e pediu "às pessoas boas" do Ministério Público que não permitam que "meia dúzia" estrague o histórico da instituição.


"Querem me investigar, me investiguem, querem que eu preste depoimento, que convoquem. Só quero que sejam verdadeiros e honestos comigo, que respeitam a dona Marisa", disse, com voz embargada, ao falar da esposa, que também foi denunciada nesta quarta-feira pela força-tarefa da Lava Jato. Lula disse que não conhecia os parentes "desses meninos", ao se referir aos procuradores, mas que "certamente não são melhores que a Dona Marisa". Ele também se emocionou ao lembrar que passou fome com os irmãos.


Lula pediu ainda que os procuradores peçam desculpas a ele se não puderam provar crimes contra o ex-presidente. "A palavra desculpa é nobre, mas não continuem tentando inventar coisa para justificar a primeira mentira, única coisa que eu peço para vocês é que respeitem minha família", falou o petista.


O ex-presidente disse que está à "inteira disposição" das pessoas sérias do Ministério Público e da Polícia Federal, instituições que, segundo ele, ajudou a construir. "Me dedicaram uma chácara que não é minha, falaram que sou comandante de um grande esquema de corrupção da Petrobrás. Eu não tenho provas, mas tenho convicção que quem mentiu está numa enrascada", afirmou.

Sobre os presentes que ganhou durante seus oito anos na presidência, sugeriu, inclusive, aos procuradores que levem o acervo guardado no Banco do Brasil para o prédio do MPF, "aquele palação". "Coloquem meu acervo lá, por favor, eu não tenho onde guardar."

 

Ao falar sobre o governo de coalizão, para conseguir apoio político, em referência à acusação contra ele do Ministério Público, ele questionou como Rodrigo Janot teria montado sua equipe no MP e como se montou a equipe de delegados da Polícia Federal. Lula falou que o PT deve ter orgulho por dar exemplos de boa governança.


Ao se encaminhar para o final do discurso, Lula tirou seu casado e mostrou que estava com uma camiseta vermelha com a logomarca do PT. "Eu vou beijar (a camiseta) e quero dizer a quem não gosta do PT, a quem odeia o PT, que daqui para frente, cada petista nesse país tem que começar a andar de camisa vermelha." Ele disse ter muito orgulho do partido, porque "ninguém nunca fez mais o que fizemos nesse país".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.