'Estelionato eleitoral' é benéfico ao País, diz cientista político

'Estelionato eleitoral' é benéfico ao País, diz cientista político

Para pesquisador, porém, mudanças na economia 'traem' compromissos de campanha e Dilma terá de lidar com reação de eleitor

Entrevista com

Carlos Pereira

Luciana Nunes Leal, O Estado de S.Paulo

28 de dezembro de 2014 | 02h01

RIO - A decisão da presidente Dilma Rousseff de iniciar o segundo mandato com medidas econômicas que ela classificou como "drásticas" é acertada, embora represente um "estelionato eleitoral", na avaliação do cientista político Carlos Pereira, professor da Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas da Fundação Getúlio Vargas. O pesquisador acredita que Dilma enfrentará forte reação do eleitor que votou no PT e rejeitou os ajustes defendidos pelo senador Aécio Neves (MG), candidato do PSDB.

Além do custo político das medidas econômicas, Dilma começará o segundo mandato sob o impacto das investigações do esquema de corrupção na Petrobrás e pressionada pelos partidos aliados.

Que cenário o senhor prevê para o segundo mandato?

Esse estelionato eleitoral, essa traição dos compromissos de campanha, são benéficos para o Brasil. No curto prazo, os custos (das medidas econômicas) vão ser enormes. Mas, no longo prazo, está na direção correta. Com a indicação de Joaquim Levy (futuro ministro da Fazenda), ela procurou sinalizar uma direção que a campanha e o governo dela já deviam ter sinalizado. Mas é melhor tarde do que nunca. A taxa de juros possivelmente vai subir, a inflação não vai reduzir no curto prazo, o crescimento da economia será pequeno. A sensação de que a economia não está melhorando será dominante neste primeiro ano do segundo mandato, talvez no segundo ano também. O que eu vislumbro é mais dificuldade na área política.

Por quê?

A presidente está vulnerável politicamente. Os presidentes do Brasil que cometeram estelionato eleitoral foram punidos. José Sarney, depois das eleições (estaduais) de 1986, quando houve a desvalorização do cruzado. Fernando Collor era muito popular até não cumprir o prometido. Fernando Henrique Cardoso, no segundo mandato: nas eleições de 1998 (quando FHC foi reeleito), o real estava supervalorizado e, com a desvalorização logo em seguida, ele perdeu muita popularidade. O eleitor não gosta de ser enganado. Quando é enganado, ele pune.

Que mensagem a presidente quis dar ao escolher Joaquim Levy para a Fazenda?

A candidatura de Aécio representava a defesa do equilíbrio macroeconômico, enquanto a de Dilma representava mais políticas de proteção e inclusão social. A eleição foi tão polarizada porque eles não conseguiram sinalizar para o eleitor que eram capazes de ofertar as duas coisas. Dilma viu que não poderia mais continuar negligenciando a gerência macroeconômica. A escolha do Levy é a sinalização para esse eleitor que perdeu nas urnas de que ela está tentando preencher essa expectativa.

Que outros fatores contribuem para as dificuldades políticas que o senhor aponta?

A maioria no Congresso diminuiu. Ela vai enfrentar uma oposição, embora minoritária, mais aguerrida, com parlamentares com mais tradição de oposição, mais qualificados. Mais ainda, a presidente vai estar em uma situação defensiva em relação ao escândalo da Petrobrás. Fica refém de uma agenda muito negativa, o que, consequentemente, perturba a gerência da coalizão, porque os parceiros, percebendo que o governo está vulnerável, tendem a aumentar o seu poder de barganha.

O movimento por impeachment ainda é restrito a pequenos grupos. Pode avançar?

Não há evidências diretas que liguem a presidente ao esquema da Petrobrás. Se alguma evidência vier à tona, essas fragilidades vão se intensificar. Será reproduzido em um cenário de polarização, com uma grande parcela da população nas ruas demandando o impeachment da presidente e uma grande parcela nas ruas defendendo a presidente e alegando que essas saídas são golpistas. Será um teste de estresse das instituições democráticas.

A presidente pode mudar a relação com o Congresso e, ao contrário do primeiro mandato, buscar se aproximar dos aliados?

Mesmo que ela troque esse tipo de relação, tem uma coisa mais grave. A presidente tomou uma decisão muito ruim na montagem e na gerência de sua coalizão, que é muito ampla. Na minha opinião, isso está no centro dos escândalos de corrupção na gestão do PT, tanto em relação ao mensalão como ao petrolão.

Como o senhor acredita que as instituições lidarão com esse momento de fragilidade política?

Estou pessimista com o governo, mas otimista com o Brasil. Temos instituições de controle muito sólidas. O Judiciário e o Ministério Público são muito independentes, os tribunais de contas são bastante ativos, a Polícia Federal é extremamente investigativa, assim como a mídia. O arcabouço institucional é vivo e maduro. Embora o governo vá passar muitas dificuldades, acredito que o Brasil talvez se fortaleça.

Tudo o que sabemos sobre:
O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.