Estatal é supreendida com anúncio sobre acordo nuclear

A estatal Indústrias Nucleares do Brasil (INB), que detém o monopólio do urânio no País, foi surpreendida com a informação de que os governos brasileiro e chinês iniciaram conversações para um possível acordo que prevê a venda de urânio bruto para a China. ?Não existe nenhuma conversação a esse respeito. Pelo menos, não por parte da INB?, afirmou o diretor de Produção do Combustível Nuclear, Samuel Fayad. ?Hoje a capacidade instalada para extração do urânio atende somente Angra 1 e 2. Para extrair mais será preciso novo investimento, fazer prospecção em busca de novas reservas. Não tem expectativa imediata para isso. E não pode haver extração se isso for afetar o sistema energético brasileiro?. Fayad ressaltou que o urânio é um produto estratégico no Brasil e por isso nunca se cogitou sua comercialização.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.