'Estamos propondo fazer o bolo juntos', diz sueca Saab

O diretor-geral da Saab no Brasil, Bengt Jáner, reafirmou ontem que o projeto do caça sueco Gripen NG para a renovação da frota da Força Aérea Brasileira (FAB) é o mais interessante para o governo do País porque representará um salto tecnológico para a indústria aeronáutica do Brasil. Jáner argumentou que os projetos da França e dos Estados Unidos já estão prontos, enquanto o sueco está em fase de desenvolvimento, o que dá margem a "uma transferência de tecnologia inigualável". "Estamos propondo fazer o bolo juntos." A proposta da empresa sueca teria sido a melhor em relatório preliminar do Comando da Aeronáutica.

AE, Agencia Estado

07 de janeiro de 2010 | 10h35

"Fizemos uma proposta interessante não só do ponto de vista técnico e industrial, mas também de transferência de tecnologia", afirmou Jáner, que não teve acesso ao relatório da Aeronáutica que avaliou as propostas de fornecimento de 36 caças para a FAB. "O nosso projeto é diferente dos outros dois, que já estão prontos. Nós estamos propondo desenvolver um projeto em conjunto com o Brasil entre a Saab e a Embraer", disse o diretor da Saab. Em sua estimativa, a parceria entre Brasil e Suécia deverá levar à produção de 2.500 caças nos próximos dez anos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
caçasAeronáuticaSaabGripen

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.