Estamos preparados para o 1º ou 2º turno, diz petista

O líder do PT na Câmara dos Deputados, José Guimarães (CE), comemorou nesta quinta-feira, 24, o resultado da pesquisa Ibope em parceria com o jornal O Estado de S. Paulo, segundo a qual a presidente Dilma Rousseff venceria as eleições de 2014 já no primeiro turno. Embora tenha celebrado os números, dizendo que eles sinalizam que o governo escolheu o "caminho certo", Guimarães cobrou que o partido não pode ter "salto alto". "Estamos preparados para ganhar a eleição no primeiro ou no segundo turno", disse Guimarães ao Broadcast Político, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado.

RICARDO DELLA COLETTA, Agência Estado

24 Outubro 2013 | 20h12

No cenário considerado hoje o mais provável, o levantamento traz Dilma com 41% das intenções de voto, contra 14% do senador Aécio Neves (PSDB-MG) e 10% do governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB). Cerca de 2 mil eleitores foram ouvidos entre 17 e 21 de outubro.

O petista creditou o desempenho da presidente a resultados dos cinco pactos propostos por ela em resposta às manifestações populares de junho, citando a votação - e posterior sanção pela presidente - do projeto que destinou os recursos do petróleo para a educação e para a saúde, os investimentos anunciados para a mobilidade urbana e o programa Mais Médicos, sancionado na segunda-feira, 21. "O País percebe o esforço", acrescentou.

O deputado federal avaliou ainda que, para consolidar a força da sigla para o pleito do ano que vem, o PT precisa trabalhar agora para firmar alianças regionais, sobretudo com seu principal aliado, o PMDB. De acordo com Guimarães, esse esforço deve ser concentrado com a conclusão do processo interno de eleição do PT, em novembro.

Outros cenários

A pesquisa Ibope divulgada nesta quinta também traz outros cenários para o pleito do ano que vem. Com Marina Silva no lugar do governador de Pernambuco, a presidente marcaria 39%, versus 21% de Marina. Aécio, por sua vez, teria 13%.

Num quadro com o ex-governador José Serra (PSDB), Dilma teria 40%, o tucano 18% e Campos, 10%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.