Reprodução
Reprodução

'Estado' vence Prêmio Direitos Humanos 2015 com 'Favela Amazônia'

caderno premiado mostrou o avanço da urbanização na Amazônia, com o aumento da influência do tráfico de drogas e dos assassinatos

O Estado de S.Paulo

07 de dezembro de 2015 | 19h20

BRASÍLIA - O Estado venceu o Prêmio Direitos Humanos de Jornalismo 2015, que distingue trabalhos de defesa da vida e denúncias de violações. O caderno especial "Favela Amazônia, um novo retrato da floresta" foi destacado na categoria reportagem. A premiação é concedida deste 1984 pelo Movimento de Justiça e Direitos Humanos, Ordem dos Advogados do Brasil, seção Rio Grande do Sul, e Associação dos Repórteres Fotográficos do Brasil. 

Publicado em julho, o caderno premiado mostrou o avanço da urbanização na Amazônia, com o aumento da influência do tráfico de drogas e dos assassinatos. Uma investigação própria do jornal indicou que 37,4% dos moradores da Região Norte vivem em áreas sob domínio de traficantes. Com texto de Leonencio Nossa, e fotografia de Dida Sampaio, da sucursal de Brasília, o caderno conquistou também neste ano os prêmios Esso Regional Sudeste, atual ExxonMobil, e Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos.

Uma das entidades mais tradicionais do setor, o Movimento de Justiça e Direitos Humanos, com sede em Porto Alegre, é dirigido pelo historiador Jair Krischke, que nos anos de ditaduras nos países do Cone Sul foi responsável por salvar perseguidos políticos. Em 1980, a entidade intermediou um encontro entre as Mães de Maio, da Argentina, e o Papa João Paulo II. No processo de redemocratização, o movimento atuou pela abertura da Assembleia Constituinte e pela defesa de excluídos no campo e na cidade.

O Prêmio Direitos Humanos de Jornalismo reconheceu também na categoria reportagem as matérias "Refugiados – uma história", de Letícia Duarte, do Zero Hora, e "Minha Casa, Minha Sina", de Rafael Pinto Soares e Luan Marinatto, do Extra ( segundo lugar) e "Geração Assasinada", de Carlos Ismael Severo Moreira, também do Zero Hora (terceiro). A solenidade de premiação está prevista para a noite do próximo dia 10, quando se comemora a Declaração Universal dos Direitos Humanos, no auditório da OAB, em Porto Alegre.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.